sábado, 22 de dezembro de 2007

Natal


Sempre gostei do Natal. Sempre me encantei com o espírito que nos cerca nesta data. E para mim isso é maravilhoso visto que em minha casa não havia celebrações de Natal conforme acontecia no meu espírito. Era apenas mais uma festa, um feriado, onde no máximo se diziam palavras de bem ao outro. Nunca sentei numa mesa para compartilhar algo sobre a Encarnação nem na minha infância e nem na igreja.

Na igreja o que eu ouvia eram sermões explicando a origem pagã do Natal e o significado diabólico de cada símbolo natalino. Mas sem saber o porquê nunca liguei para essas coisas. Para mim o Natal sempre foi mágico, não por causa do papai Noel, mas por causa da manjedoura, da estrela, do Menino.

Desta forma sempre celebrei o Natal e na minha casa celebramos, e ao contrário do que fizeram comigo, falo com minhas filhas da razão do Natal e de seu real significado. O Natal não me lembra o diabo como lembravam meus pastores.

Ora o Natal será de acordo com o que vai em nosso coração. Paulo nos ensina que todas as coisas são puras para os puros; porém para os de mente impura, tudo fica impuro.

E que ninguém pense que não sei que não foi nesta data que Cristo nasceu. Ora mas o que isso tem haver? Não me importo com datas, me importo com significados.

E o Natal para mim tem um grande significado. É uma data que compartilho com muitos que Deus estava em Cristo reconciliando-se com o mundo não lhes imputando pecado e os convido a se reconciliarem com Deus.

Na mesa natalina aproveito o momento das trocas de presente para falar da solidariedade, do compartilhar com o outro, do ato de dar sem pensar em receber e do grande presente de Deus para nós que foi Jesus Cristo nosso Senhor.
Quando as crianças falam do papai Noel, não as censuro. Aproveito e falo do bom Pai do céu. Esta é a mensagem. Como será o seu Natal é uma decisão sua. Para mim é salvação, é doação. É Deus se fazendo homem, o rico se fazendo pobre, o senhor se fazendo servo. Natal é dádiva de amor. O Natal é para todos. O Natal é Jesus.

O Natal é boas novas de grande alegria para o todo o povo.

Desejo a todos que nesta data e depois dela guardem no coração este espírito.

Um Feliz Natal!

Ivo Fernandes

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

A origem


Na teologia existe algo que poucos ousam falar a respeito, é a questão da origem do mal. Como o mal e o pecado foram possíveis para um ser perfeito e bom? A maioria responderá que o mal é fruto da liberdade humana e que Deus nada tem haver com ele.

E mesmo não negando que o mal que nos sobreveio é fruto da liberdade que optou pela transgressão, não penso nessa liberdade como uma capacidade do homem para existir fora de Deus ou de fazer qualquer coisa que estivesse fora Dele.

Quando penso no princípio, no Éden, na Queda, lembro que antes de tudo isso o Cordeiro foi imolado, o que faz com que a Queda já aconteça na ambiência desta Graça da Redenção. Assim tudo que sucede a morte do Cordeiro antes da fundação do mundo é processo que caminha para o propósito para quais todas as coisas foram criadas.

Penso que no processo para se chegar à Nova Jerusalém tinha que primeiro vir o Éden. Assim quando o que é Perfeito se manifestar aquilo que é em parte desaparecerá.

Alguém ao ler isso pode dizer que estou dizendo que o pecado era necessário. Ora nunca vivi sem o pecado então não posso dizer nada para além dessa minha condição. O que penso é que nada estava fora Dele.

Não estou afirmando que não houve transgressão. Sim! o homem caiu, mas quem disse que caiu para fora. Estar fora do Éden é estar no Caminho da Nova Jerusalém.

Deus não é um ser que foi pego de surpresa com o ato livre do homem. Afinal todas as coisas cooperam.

Penso que tudo isso, toda a existência, toda história é processo. Adão no Éden não era o objetivo ou a consumação, mas ele também era-é processo. Houve o tempo da inocência, houve a Queda, há a história e chegará a Consumação.

Desta forma, conforme Paulo, creio que aos que de antemão conheceu, a esses predestinou; e aos que predestinou, a esses chamou; e aos que chamou, a esses justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou.

Tudo chegará a ser conforme o que Ele designou. Ele nos criou para estarmos onde Ele está e para lá estamos indo.

Afinal não foi essa a promessa de Jesus –

“NÃO se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho.”
(João 14. 1-4)

Ivo Fernandes

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

O sentido da Criação


Todas as vezes que estou a refletir sobre o universo criado penso no seu sentido de ser. O que Deus quis quando criou todas as coisas? Qual a razão de ser da criatura? Para que existimos? Qual o propósito e finalidade de nossa existência?

Recuso-me a unir-me com aqueles que não encontram propósito na criação. Deus como ser perfeito não poderia ter criado algo para o nada, nem a criação poderia ser fruto da ‘ociosidade’ divina. Na verdade a criação é fruto do desejo de Deus (Apc 4.11). E qual foi esse desejo? Deus desejou a criação para Si. Deus desejou o homem para ser e estar ao seu lado (Gn 1.27). Esse desejo não é fruto de uma necessidade de Deus, é fruto do Seu Desígnio, de Sua Graça.

Deus quis o homem e o fez, esse querer é o que as escrituras chamam de amor. Deus ama sua criação desde a eternidade e nela demonstra seu eterno poder e glória. Por causa disso é que se está dito que o Cordeiro foi imolado antes da fundação do mundo (Ef 1.4; 1 Pe 1.20; Apc 13.8). É por causa disso que o homem recebeu o dom da liberdade de ser em Deus. Ora, é por isso que dizemos que a criação é fruto da redenção, é ato de Graça.

Deus ama o homem e o fez para Si e por esta razão preserva sua criação. É nesse amor que o homem se encontra e só nele percebe seu sentido. Fora deste amor a vida fica sem sentido, mesmo que a criatura busque sentido em outro lugar ou em si mesma não encontrará. É Deus o sentido de ser do homem.

A história humana está se desenrolando dentro desse mistério. O começo dela se deu na doação do Cordeiro de si mesmo. Sem a Cruz eterna não haveria história. A Cruz revela que o Amor é a razão da história. E esse Deus que criou e que preserva também providência todas as coisas para que sua criação alcance o propósito para qual foi criada.

Por isso creio na reconciliação de todas as coisas Nele (Ef 1.10; Fp 2.10; Cl 1.16,20; Apc 5.13). Deus me criou para Si e me conduz ao Seu encontro. Deus criou todas as coisas para Si e as conduz a Si mesmo.

Ivo Fernandes

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Jesus - O Deus Eterno


Uma das coisas que mais me impressiona nos escritos e nas afirmações daqueles que negam a divindade de Jesus Cristo apontando ele apenas como um bom mestre de moral, um ser evoluído, um espírito poderoso, etc. é o fato de suas fontes de pesquisa ser o Evangelho (Mateus, Marcos, Lucas e João).

Sabemos que esses livros são os que possuem a maior credibilidade quando falamos de Cristo, portanto, qualquer afirmação a Seu respeito necessita ser avaliada a partir das afirmações contidas nestes livros. Não proceder assim é no mínimo e na melhor das hipóteses extremamente ingênuo do ponto de vista da pesquisa histórica.

Inegavelmente os evangelhos afirmam que Jesus de Nazaré afirmava ser Deus. Ora o que se pode fazer com isso é negar ou aceitar, mas não se pode dar outro sentido, pois não é inteligente dizer que o que o texto está dizendo não está dizendo. E não somente estes evangelhos falam a esse respeito, mas todo o NT aponta para isso. A fé da comunidade primitiva, chamada os do Caminho, acreditava na divindade de Jesus.

Vejamos o que Jesus disse sobre si mesmo:

Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou. João 8:58 (este “ eu sou” refere-se a YHWH, o nome sagrado de Deus para os judeus)

Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados. João 8:24(note que aqui não somente sua identidade está revelada como também o fato de que o destino eterno do ser depende dele crer nisso)

Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? João 14.8,9

Além destas inúmeras vezes Cristo fez afirmações que o igualam a Deus:

Mc 14.61-64
Mas ele calou-se, e nada respondeu. O sumo sacerdote lhe tornou a perguntar, e disse-lhe: És tu o Cristo, Filho do Deus Bendito? E Jesus disse-lhe: Eu o sou, e vereis o Filho do homem assentado à direita do poder de Deus, e vindo sobre as nuvens do céu. E o sumo sacerdote, rasgando as suas vestes, disse: Para que necessitamos de mais testemunhas? Vós ouvistes a blasfêmia; que vos parece? E todos o consideraram culpado de morte.

E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede. João 6:35


Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida. João 8:12

E dizia-lhes: Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. João 8:23

Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas. João 10:7

Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens. João 10:9

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; João 11:25

Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. João 13:13

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6

Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece. João 3:36

Além das afirmações do próprio Cristo temos o testemunho de Maria que ouviu do anjo a identidade Daquele que nasceria.

Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco. Mateus 1:23

Ora, isso junta-se a seguinte profecia de Isaías 7.14 e 9.6:

Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel.

Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.

Fora isso ainda temos os inúmeros relatos de adoração dos homens a Jesus as quais a todas recebe, entre elas temos a de Tomé:

E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu! João 20:28

Temos o testemunho de João:

NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. João 1:1

Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só quebrantava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus. João 5:18

O testemunho de Paulo

Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue. Atos dos Apóstolos 20:28

Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade; Colossenses 2:9

Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso

Salvador Jesus Cristo; Tito 2:13

O testemunho de Pedro

SIMÃO Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco alcançaram fé igualmente preciosa pela justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo: 2 Pedro 1:1

Os textos revelam também que Cristo possuía os atributos que só Deus possui:

João 5. 21-29
Pois, assim como o Pai ressuscita os mortos, e os vivifica, assim também o Filho vivifica aqueles que quer.E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo;Para que todos honrem o Filho, como honram o Pai. Quem não honra o Filho, não honra o Pai que o enviou.Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem viverão.Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu também ao Filho ter a vida em si mesmo;E deu-lhe o poder de exercer o juízo, porque é o Filho do homem.
Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz.E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação.


Mc 2.1-13
E ALGUNS dias depois entrou outra vez em Cafarnaum, e soube-se que estava em casa.
E logo se ajuntaram tantos, que nem ainda nos lugares junto à porta cabiam; e anunciava-lhes a palavra.E vieram ter com ele conduzindo um paralítico, trazido por quatro.E, não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão, descobriram o telhado onde estava, e, fazendo um buraco, baixaram o leito em que jazia o paralítico.E Jesus, vendo a fé deles, disse ao paralítico: Filho, perdoados estão os teus pecados.E estavam ali assentados alguns dos escribas, que arrazoavam em seus corações, dizendo:Por que diz este assim blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus?E Jesus, conhecendo logo em seu espírito que assim arrazoavam entre si, lhes disse: Por que arrazoais sobre estas coisas em vossos corações?Qual é mais fácil? dizer ao paralítico: Estão perdoados os teus pecados; ou dizer-lhe: Levanta-te, e toma o teu leito, e anda?
Ora, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder para perdoar pecados (disse ao paralítico),A ti te digo: Levanta-te, toma o teu leito, e vai para tua casa.E levantou-se e, tomando logo o leito, saiu em presença de todos, de sorte que todos se admiraram e glorificaram a Deus, dizendo: Nunca tal vimos.


Além destes temos outros que falam da onipresença, onisciência, onipotência, eternidade e imutabilidade de Cristo (Mateus 18.20;20.28;11.27;28.18;Lc 5.4-6; João 2.25;16.30;21.27; 10.18; 1,15,30; 3.13,31,32; 662;16.28;17.5;8.58; Hb 13.8)

Com tantas evidências é tolo pensar em Cristo apenas como um anjo, pois se assim o fosse não seria um anjo, mas um demônio visto que foi Satanás que quis ser o que não era.

A divindade de Cristo está provada também pelas profecias cumpridas, por seus atos poderosos, por seus milagres e por sua ressurreição.

O que podemos dizer a quem ainda insiste em dizer que Cristo não era Deus, reduzindo Ele a uma categoria de melhor dos homens, grande espírito, profeta, mestre da moral, espírito iluminado? Nada é mais tolo que essas afirmações.

Se Jesus não for o que Ele disse ser, ele não poderá carregar nenhum desses títulos acima citados. Se Ele não fosse Deus só restaria para Ele o título de mentiroso, maligno, ou na melhor das hipóteses louco, pois só um louco diz ser Deus sem ser.

O que vejo quando leio os evangelhos é que Cristo só nos deixou duas opções: Uma de render-se a Ele crendo em tudo que Ele disse ser ou rejeitá-lo cuspindo nele, o difamando, o rejeitando.

Hoje é dia de decisão. Qual será a sua?

Ivo Fernandes

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

O meu do Eu

Sou um Eu
No meu Eu há o que é meu
E no meu Eu nem tudo que é meu sou Eu

Há caminhos para o meu Eu
Eu sendo só o que é meu
Eu deixando o que é meu mas que não é do Eu
Eu ignorado o que é meu
Eu vivendo no Eu e no meu
Eu sendo Eu

Todos os caminhos do Eu lutam com o meu
Assim quando me vi Eu vi também o que era meu
Mas o meu não era o que era Eu
E assim morri no Eu e vivi o meu
Mas ressuscitado fui ao Eu
E agora o Eu vive não para viver pro meu mas para aquele que o ressuscitou

Como vencer o meu no Eu?
Crendo que o que sou Eu não é o que meu
E portanto deixando o que é meu para viver o que sou Eu

Eu sou que sou
Eu não sou o que é meu
E tudo que é meu deixo para ser Eu

Ivo Fernandes
(Depois da leitura do texto “Esmurro o meu corpo” de Caio Fábio)
Em 08 de novembro de 2007

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Confesso


Deus,
Tu que és Mistério
Tu que olhas e a tudo vê.
Quem de ti se esconde?
Quem pode fugir da tua presença?


Meus atos e pensamentos estão diante de Ti
E até o que de mim não sei Tu conheces muito bem
Mas o que sei quero confessar diante de Ti e dos meus irmãos

Quero confessar que não sou quem muitos pensam que sou
Não, não sou o monstro e não sou o anjo
Não tenho uma grande história e poucas coisas foram realmente como parecem

Sou apenas mais um filho que neste Brasil seu pai não o reconheceu e sua mãe não o criou porque sua família não o quis
O que isso faz de mim senão mais um
No entanto sou agraciado, pois encontrei um lar e duas mulheres que em tudo foram mães

Não sei como foi o resto
Nem sei se fogo existiu ou se tudo não representa apenas o fogo da minha alma que conheceu o inferno

Sei o que me contam
Mas quem conta a verdade?

Sei que sobrevivi
Fui menino só
Mas minha solidão foi bem aproveitada
Escrevia e imaginava

Quem acertou e quem errou?
Todos nós acertamos e erramos

Confesso que nasci pecador
Nasci do pecado
E o pecado se fez ato em mim muito cedo
As marcas deste pecado hoje são a dor que carrego e o espinho que suporto

Quem explicará?
Será normal?
O que é normal?

Fui um menino como milhares neste solo
Pequei como milhares
Mas o pecado só se tornou pecado quando conheci a lei
E o que antes em mim era apenas ato depois era desejo

Confesso que foi a Tua Graça ó Deus que me salvou
Não te busquei e Tu me encontraste
Não te pedi perdão e tu me perdoaste
Não te amei e Tu me amaste

E nas lágrimas da minha adolescência eu ti vi como Pai
Meu encontro contigo não foi na igreja ao levantar a mão
Nem no sono da noite quando arrebatado falei em outras línguas
Meu encontro contigo foi quando gritei Pai e Tu me ouviste

Amei-te como um filho ama desesperadamente o Pai que não quer perder
E foi a Tua presença que me salvou das ondas da minha mocidade

Quem me livrou da morte?
Quem me livrou de me prender nos laços?
Quem me livrou das trevas?
Mil caíram a minha direita, dez mil a minha esquerda e eu fui guardado
Por quê?
Porque Tu és Bom e a Tua misericórdia dura para sempre

Confesso que fui ingênuo e ao mesmo tempo sem juízo
Confesso que tentei ser o melhor
Confesso que servi com dedicação
Confesso que tudo desmoronava

Confesso que fiz chorar e chorei
Confesso que meus atos como homem foi quando deixei de ser menino
E isso não é lógico?
O que é a lógica?

Confesso que sofri doidamente
E o sofrimento muitas vezes tira de nós a sabedoria
Agi pensando estar pensando e errei
Mas quem sabe o caminho certo?

Confesso que em tudo a religião evangélica me fez mal
Mas em tudo recebi bem

Quando o homem esconde de que é feita sua casa todos se espantam quando o vento a derruba
Cai e toda bela construção veio abaixo
Mas vivia num mundo de ilusões e poucos viam a verdade
Só restam equívocos e acusações
Mas quem conhece o coração do homem?

Confesso que perdi amigos e amores
Confesso que perdi prestígio
Confesso que tentei construir algo
Confesso que cri quando subi na monte para sacrificar o filho gerado

Quem entendeu?
Quem do meu lado ficou?
Quem compreendeu meu silêncio?
Quem perguntou de mim?

O perfeito se quebrou
O tabu foi desfeito
E quando me perdi me achei
E quando morri ressuscitei
E quando cai voei mais alto

Confesso que a Graça a mim se revelou
E o impossível começou a ser
E aos que diziam que para mim não havia salvação Deus disse: Eu o justifico. Quem o condenará?

Confesso que ainda lutei com o anjo
Confesso que me feri
Confesso que me libertei

Eis o Caminho para que Nele eu ande

Ainda sou o paradoxo
Ainda sou a carne, mas já sou o espírito
Estou no corpo, mas há outro sendo preparado
Ainda choro a minha dualidade, mas creio na Unidade com Aquele que É

Hoje eu confesso meus erros e peço perdão a todos os que feri com meus atos.

Ivo Fernandes
Em 25 de outubro de 2007

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Sem Jeito


Algumas pessoas me criticam por ter um tom pessimista quando falo de religião e mais precisamente a de cunho evangélico pentencostal-neopentecostal, talvez por conhecê-la melhor do que as demais religiões da terra.

Muitos imaginam que penso que não há gente boa de Deus no meio dessa religião, engano de quem assim pensa. É do meio dela que vieram bons amigos. Conheço gente boa de Deus em todo canto, embora saiba que eles estão sofrendo com a corrupção de sua própria religião, talvez o que nos diferencie seja a crença na salvação deste negócio.

Ontem alguém tentou me convencer que esse tipo de religião é muito importante para certas pessoas, porque não conseguiriam ser ‘crentes’ de outra maneira. Discordo plenamente disso. Lembro-me quando ainda cursando meu curso ouvia meus professores defendo a IURD por afinal de contas ter gente sendo ‘salva’ lá dentro. Achava isso um absurdo.

O que parece que as pessoas não entendem é que por muito menos Paulo escreveu as suas cartas. Ora qual era o problema de circuncidar-se? Porque Paulo fazia tanto alvoroço denunciando esse outro evangelho que era outro por não ser puro e sim misturado. Não posso aceitar que meias-verdades sejam Verdades.

O que realmente sei é que essa religião assim sustenta-se por causa da ignorância e idolatria do povo, e todos aqueles que ousam dela falar são acusados de hereges ou de racionalistas contrários a fé. Minha opinião sobre essa religião não é pessimista é realista e só não vê quem infelizmente já teve sua consciência anestesiada.

É lamentável ver o povo enriquecendo ‘ministérios’ quando ainda padecem de todos os males. É enojante ouvir a ‘pregação’ deste povo que sem nenhum pudor rouba o pobre e destrói o ingênuo.

Alguém me perguntou onde daria isso tudo, ao que respondi que iria piorar. E o que é chocante é ver que está todo mundo calado. E a quem ousa falar eles tentam destruir sua voz atacando sua vida pessoal, conduzindo a mente viciada do povo no culto a imagem a rejeitar o Evangelho pregado por estes.

Não adianta nada contra isso, não porque Deus esteja impossibilitado de fazer alguma coisa, mas porque Deus já não tem nada a ver com isso. Por isso nenhuma reportagem ou denúncia de roubo, assassinato, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, estupro, e tantas outras coisas fazem com que o povo acorde de seu sono, pois no final são convencidos pelos pastores-lobos que tudo isso é perseguição a fé.

Assim para mim isso tudo não tem mais jeito, mas a minha esperança está posta no Senhor que conhece os seus e que neste mundo seu reino que é invisível, apesar da força do ministério da iniqüidade, continua invadindo o coração de todo aquele que crê no Evangelho.

Em Cristo

Ivo Fernandes
01 de outubro de 2007

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Batismo de Sangue


“O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.”
Martin Luther King

Hoje assisti na minha casa ao filme Batismo de Sangue, baseado no livro do Frei Beto como o mesmo nome. Emocionei-me bastante, e lembrei-me da frase de Martin Luther King sobre o silêncio dos bons, pois foi isso que para mim foi e é mais chocante.

Sei que o sangue de muitos marca a estrada da vida. Esse sangue é que realmente alimenta a esperança de muitos outros na luta por um mundo melhor. Prefiro estar do lado destes e com eles estar associado do que viver do lado daqueles que em nome de ‘sei lá o que’ silenciam, ignoram, escondem-se.


Passaram-se 30 anos desde a morte de Frei Tito, o Brasil enfim vive um estado democrático, mas ainda há muito pelo que lutar. Milhares ainda morrem de fome e de falta de assistência médica. A violência é algo sem limite. A corrupção parece ser nossa bandeira. Sim! Ainda falta muito.


Quero fazer parte de uma geração que nasceu da esperança daqueles que foram batizados com sangue. Quero abrir minha boca em favor do oprimido mesmo com riscos. Quero combater todas as ordens e instituições da opressão seja ela política ou religiosa.


O Evangelho me mostra um Cristo que por meio de sua mensagem e de seus atos denunciou todas as formas de opressão de sua época e anunciou a libertação do pobre e oprimido. Dele recebi uma ordem de no caminho ser semente do Reino onde não há diferenças.


Espero que muitos leiam, assistam sobre os atos do que com sangue foram batizados e que isso desperte em nós sede de justiça, pois afinal foi Ele, o crucificado quem nos disse:
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos (Mateus 5.6)


Ivo Fernandes
Conterrâneo de Frei Tito

Uma biografia


Tito de Alencar Lima, o Frei Tito, OP, (Fortaleza, 14 de setembro de 1945Lyon, 10 de agosto de 1974) foi um sacerdote católico brasileiro.


Assumiu a direção da Juventude Estudantil Católica em 1963 e foi morar em Recife. Em outubro de 1968, Frei Tito foi preso por participar de um congresso clandestino da União Nacional dos Estudantes em Ibiúna. Foi fichado pela polícia e tornou-se alvo de perseguição da repressão militar.


No início de 1970, Frei Tito foi torturado nos porões da chamada “Operação Bandeirantes”. Na prisão, ele escreveu sobre a sua tortura e o documento correu pelo mundo e se transformou em símbolo de luta pelos direitos humanos. Em 1971 foi deportado para o Chile e, sob a ameaça de novamente ser preso, fugiu para a Itália. Em Roma, não encontrou apoio da Igreja Católica, por ser considerado um “frade terrorista”. De Roma foi para Paris, onde recebeu apoio dos dominicanos.


Traumatizado pela tortura que sofreu, Frei Tito submeteu-se a um tratamento psiquiátrico. Seu estado era instável, vivendo uma agoniada alternância entre prisão e liberdade diante do passado. No dia 10 de agosto de 1974, um morador dos arredores de Lyon, encontrou o corpo de Frei Tito, suspenso por uma corda. A causa da morte – suspeita de suicídio – tornou-se um enigma.


Foi enterrado no cemitério dominicano Sainte Maire de La Tourrete, em L'Abresle. Em 25 de março de 1983, o corpo de Frei Tito chegou ao Brasil. Antes de chegar a Fortaleza, passou por São Paulo, onde foi realizada uma celebração litúrgica em memória dos mortos pela ditadura de 1964: o próprio Frei Tito e Alexandre Vannucchi. Cercado por bispos e numeroso grupo de sacerdotes, Dom Paulo Evaristo Arns repudiou a tragédia da tortura em missa de corpo presente acompanhada por mais de quatro mil pessoas.


Frases de Frei Tito


«Assim suspendido, despido, eu recebi descargas elétricas de corrente contínua nos tendões dos pés e na cabeça. Os torturadores eram seis. Eles me aplicaram o "telefone" (bater as duas orelhas com a palma da mão ao mesmo tempo para fazer explodir os tímpanos) e eles me gritavam injúrias.»

«Eles lançaram algumas descargas elétricas em minhas mãos, em meus pés, em minhas orelhas e em minha cabeça. A cada descarga todo meu corpo passava a tremer como se fosse despedaçar»

«Era eu impossível saber que parte do corpo era mais doída. Eu tinha a impressão de ser esmagado por toda parte. Minha mente não era mais coordenada, eu só tinha o desejo de perder os sentidos”.

«Quando eu venho na Operação-Bandeirante, eu deixo o coração em casa. Eu tenho horror dos curas... Você conhece Fulano e Beltrano? (menciona os nomes de dois presos políticos torturados, com muita selvageria por ele), você vai ter direito ao mesmo tratamento: descargas elétricas o dia todo. Para cada um de seus NÃO, você receberá uma descarga mais importante. Havia três militares na sala. Um deles gritou: "Eu quero nomes de homens e de organizações clandestinas ".
Quando eu respondi: "Eu não sei, eu recebi uma descarga elétrica tão forte, daquelas diretamente plugadas na tomada, que eu perdi o controle de minhas funções fisiológicas .»
«Ele (o torturador) entrou nos ataques morais: Quais os padres que têm amantes? Por que a Igreja não expulsou vocês todos? Quem são os padres terroristas? Disse que a Igreja é corrupta, que pratica malversações financeiras, que o Vaticano é o proprietário das maiores empresas. A todas minhas respostas negativas, eles me davam descargas, socos, pontapés, e golpes de vara no tórax. Num determinado momento, o capitão Albernaz ordenou que eu abrisse a boca para receber "a hóstia sagrada ". Ele introduziu um fio elétrico. Eu permaneci de boca inchada, sem poder falar adequadamente. Eles gritavam contra a Igreja. Eles gritavam que os padres são uns homossexuais porque eles não são casados... Eles só pararam às quatorze horas» (nota-se que tinham começado de manhã às oito horas).

"Em minha cela eu não conseguia dormir. A dor aumentava cada vez mais. Eu tinha a impressão que minha cabeça era três vezes mais grossa que meu corpo. Era preciso acabar com isso uma vez por todas. Eu sentia que não poderia agüentar tamanho sofrimento por muito tempo. Eu estava angustiado à idéia que meus Irmãos Dominicanos pudessem sofrer a mesma coisa".

"Quando secar o rio da minha infância / secará toda dor. / Quando os regatos límpidos de meu ser secarem / minh'alma perderá sua força. / Buscarei, então, pastagens distantes / lá onde o ódio não tem teto para repousar. / Ali erguerei uma tenda junto aos bosques. / Todas as tardes me deitarei na relva / e nos dias silenciosos farei minha oração. / Meu eterno canto de amor: / expressão pura de minha mais profunda angústia. / Nos dias primaveris, colherei flores / para meu jardim da saudade. / Assim, exterminarei a lembrança de um passado sombrio.


“É preferível morrer do que perder a vida”

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Um Salmo



“Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão.” Isaías 40:31

A Palavra me visitou. Sobre mim estão as marcas deste encontro. Ela veio e me fez ver e sentir a presença Daquele que sempre está olhando para os que esperam na sua misericórdia. Minha fé e força foram renovadas. Senti a mão forte do Poderoso Deus a me guardar em todos os meus caminhos.

Ele é Aquele que realmente ampara o aflito. Seus ouvidos estão sempre atentos a oração do que clama. É Ele quem levanta o caído, quem anima o triste, quem dá força ao cansado, que liberta o preso, que faz viver o morto.

O Deus de meus pais é o mesmo hoje. Não desampara o que crer e não deixará confundido o que Nele espera. Assim esperei pacientemente no Senhor e Ele ouviu o meu clamor. Esteve comigo todo tempo e na angústia me deu irmãos.

Louvo a Deus pela comunidade dos santos, os que Nele são justificados. Senti a verdade do Evangelho quando fui cercado por tanta amor não fingido. Amizades feitas na Graça. Gente que chora com os que choram. Gente que anima o entristecido.

Chorei mas minhas lágrimas se converteram em sorriso quando ao meu redor estive cercado por um multidão de gente que nada tem a não ser a Graça que receberam e a que a mim dedicaram também de Graça.

Deus está nos pequeninos e deles procedem o perfeito louvor. Sei que não estou só. Os anjos estão acampados ao meu redor e eles estão vestidos de homens. Este é o Caminho. Nele dois ou três é uma força imbatível.

Hoje estou cheio de júbilo e louvor ao Deus da minha salvação que me mostrou que no Caminho se um cair o outro levanta. Esse cordão de três dobras jamais se arrebentará.

Ivo Fernandes
21 de Setembro de 2007

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Mais uma vez

Hoje mais uma vez fui chamado para esclarecer minhas declarações de fé, visto que estava sendo mais uma vez acusado de defender heresias em dos seminários em que leciono. Tudo isso é desgastante e ainda não consegui ser indiferente. Espanto-me com o tamanho da ignorância que há nos círculos evangélicos. Parece realmente que não há mais jeito. Sou filho de pentecostais e lamento por tudo que aconteceu a este segmento. Sou um teólogo, mas lamento o que fazem à e com a teologia.

Tudo é tão hipócrita, pois quantos elogios são me feitos e por trás conspiram contra mim. Estou cansando e hoje triste. Sei que não devia afinal não é a primeira vez. Foi ainda na adolescência que ouvi de meus pastores e familiares que era um filho do diabo por ir contra a ‘teologia da maldição hereditária’. Quantas vezes fui ferido com palavras porque ousava tratar questões sexuais de uma maneira menos rigorosa do que a que já estava estabelecida. Quantas acusações já fizeram.

Era proibido de ler poesias. Rasgavam meus escritos. E tudo que eu pensava era reprovado. Mas mesmo assim continuava, apesar de ir me ferindo muito quando por vezes acreditava que o problema era eu. Sei que foi só a Graça que conseguiu guardar a minha mente, pois em diversos momentos me vi traindo a minha própria consciência.

Quando enfim deixei a congregação, já a pastoreando por 5 anos, sai em busca de um lugar onde minha alma encontrasse repouso. E quão tristes foram as outras experiências. Era amando e sendo odiado. Fui envolvido em tanta mentira. Conheci os bastidores do mundo evangélico. Quase perdi minha alma. É impossível disso participar e acabar não se sujando.

Fui visto como um homem que era contrário as ações do Espírito Santo por causa das minhas constantes críticas ao uso mentiroso e abusivo dos dons. Fui mal interpretado pelos que antes se diziam meus filhos quando disse que estava deixando a igreja para não ir mais contra a minha consciência. Levantaram-se mentiras a meu respeito e paguei para além dos meus pecados, estes confessados diante de muitos.

Na última igreja que trabalhei fui levado a uma espécie de tribunal eclesiástico sendo acusado de perverter a doutrina da igreja. Naquela ocasião apesar da dor tomei a decisão de me desligar definitivamente da igreja evangélica. E no Caminho encontrei o caminho da Graça e verdadeiros irmãos.

A partir da minha associação aos do Caminho perdi empregos. Por não negociar a mensagem do Evangelho, estou a ponto de perder mais ainda. O que fazer? Eu espero em Deus que é o dono da minha vida e o Senhor do meu caminho em quem tenho a minha consciência presa.

Aos meus amigos digo - orem para que não me falte a coragem de sempre defender o Evangelho mesmo com riscos, e que não me falte o pão de cada dia. Aos demais, o que posso dizer? Deus julgará nossas vidas e espero que para com todos nós haja com misericórdia.

Ivo Fernandes
19 de setembro de 2007

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Sobre Ricardo Gondim

Sempre que posso leio o site do pastor Ricardo Gondim porque desde a minha adolescência que aprendi a admirá-lo principalmente por causas de suas pregações, que por diversas vezes edificaram minha vida.

Um dos seus livros me foi muito útil - É proibido – o que a igreja proíbe e a bíblia permite. Lembro-me que na época que foi lançado houve muito alvoroço na igreja cearense. Na época, num jornal, certo pastor publicou um texto com o seguinte título “Refutações contra as doutrinas demoníacas do pastor Ricardo Gondim”. Ao ler o texto vi o quanto é irracional a ira dos religiosos.

Nos últimos tempos é notável a influência de certos escritores e pensadores na escrita do pastor Ricardo Gondim, o que para mim sempre foi positivo. Nada que ele escrevia me era estranho, até quando discordei dele nos textos em que fala da ‘teologia relacional’. Não comungo com suas concepções a respeito do futuro e consequentemente com a relação de Deus com ele, mas mesmo assim ainda nutro pelo Ricardo a mesma admiração e respeito de antes, e penso que todas as coisas que aconteceram com ele em relação a sua denominação no fim o trarão bons frutos de percepção e crescimento na Graça.

Lamentei por tudo que houve, mais na forma como que aconteceu do que com que aconteceu em si. Penso que por trás de tudo o que se revelou foi o estado da religião evangélica nos dias de hoje, disputa, guerras, mentiras disfarçadas de verdade, falsa piedade e muito engano.

Hoje assisti a uns vídeos e a única coisa que senti foi que Jesus não está neste negócio todo, mesmo que o nome Dele seja o ‘centro’ do que se vê e ouve.

Oro a Deus pela pessoa do pastor Ricardo para que a cada dia Dele receba revelação.

Oro pela igreja evangélica que já há muito tem se perdido do Caminho.

Oro pelos milhares de irmãos sinceros que ainda não conseguiram ver, embora já sintam que o Caminho do Senhor é outro, e que este evangelho pregado pela religião do medo é falso.

Oro pelo meu caminhar, para que no processo possa em tudo ser sóbrio e crescer na Graça e no conhecimento do meu Deus.

Abaixo estão alguns link’s que talvez interessem a quem queira entender tudo isso melhor:

http://www.youtube.com/watch?v=zUM3aRnpGIs&mode=related&search=

http://www.youtube.com/watch?v=KMZ6HIn--Cs&mode=related&search=

http://www.youtube.com/watch?v=30xg737Iu1Q&mode=related&search=

http://www.ricardogondim.com.br/Artigos/artigos.info.asp?tp=69&sg=0&id=1284

http://www.monergismo.com/textos/sofrimento/tsunami_gondim_eros.htm

http://www.crerepensar.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=88&Itemid=34

http://fchagas.wordpress.com/2007/04/23/teologia-relacional-que-bicho-e-esse/

http://acaoreacao.blogspot.com/2007/08/o-lado-nefasto-da-religio-por-ricardo.html


Nele que não faz parte do baile de máscaras da religião

Ivo Fernandes

sábado, 8 de setembro de 2007

O Caminho em mim



Desde o dia em que iniciei uma estação do caminho da Graça em Fortaleza que sinto que a maioria dos meus amigos sente-se desconfortável. Uns foram expressamente proibidos de ‘visitarem’ a estação, outros foram apenas advertidos a respeito da seita que começava por aqui. Outros não querendo machucar o coração da liderança decidiram não conhecer, e há os que não sabem e que na dúvida preferem nem arriscar. Mas ainda existem aqueles que sabem que tinham que vir, mas... Bom, sem contar com os que acreditam nas mentiras inventadas.


Há os que dizem que o Caminho é uma seita, mas isso desde o tempo dos apóstolos que dizem. Há os que acreditam que é a igreja do pastor Ivo que nasceu de uma divisão. Há quem ache que roubei ovelhas de outros pastos. Enfim, são muitas as histórias e todas conforme o espírito fariseu presente dentro das denominações religiosas evangélicas.


Ora, o que ninguém parece entender é que o Caminho não está aqui para ser mais uma opção de igreja evangélica. Assim quem for evangélico não precisa nem falar sobre o Caminho.
O Caminho não pretende ser uma reforma aos moldes da protestante, e isso porque já não cremos que vinho novo possa estar em odres velhos. Ora, nem Jesus veio para reformar o judaísmo, quanto mais o caminho da Graça para reformar o cristianismo. Jesus veio como a Palavra encarnada, e o caminho da Graça está aqui para anunciar as Boas Novas.


Não queremos entrar nesta disputa eterna entre os evangélicos para saber quem está com a razão, para nós Cristo é a Verdade. Na verdade quando iniciei a estação foi porque acreditava no Evangelho que também estava sendo pregado por outros irmãos em outras estações pelo Brasil. Conforme o Caio disse: - O “Caminho da Graça” é para gente do Caminho de Jesus e que está buscando de modo social e comunitário aquilo que já crê de modo individual e existencial - Assim só estou no caminho da Graça porque o Caminho já estava em mim. E ainda conforme o Caio: - o “Caminho da Graça” não é para gente que precisa ser “convencida” de que lá-aqui é o seu lugar-andante –


Por isso aqueles que chegam com amargura no coração dispostos a se vingarem de suas instituições não ficam. Os que procuram novidade, moda, não ficam. Não há no Caminho proselitismo, há, apenas, quem ouviu e creu na Boa Nova.


Assim, aos meus amigos digo, não se preocupem comigo, não posso ser uma ameaça, já que não consto na lista das opções evangélicas. Isso tudo é apenas um modo de ser no Caminho.


Agora se alguém que estiver lendo este texto for discípulo da consciência do Evangelho, e deseja conviver com outros discípulos, seja bem-vindo à estação do Caminho da Graça em Fortaleza. Se não compreendeu ainda, ou se seu espírito é religioso a lista é grande de opções para você, só não há lugar no Caminho, posto que para se andar no Caminho é necessário fé para se trilhar o Caminho estreito da negação da justiça-própria, do esvaziar de todo juízo contra o próximo, do abandonar das certezas religiosas.


Termino aqui, juntado minhas palavras as de Caio Fábio quando disse que é conforme o Evangelho que o “Caminho da Graça” está caminhando feliz e em paz!

Nele que é Caminho no coração dos discípulos

Ivo Fernandes
(Escrito em 2006)

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

A Graça nas Escrituras

São diversos os textos bíblicos que falam da Graça de Deus e do Deus da Graça visto que esta Graça não é vista como um ‘momento’ de Deus ou mesmo como um de seus atributos. Deus é Graça e todas as suas ações são ações de Graça, inclusive sua ira.

Assim vejamos o benefício recebido por meio da Graça

Pela Graça somos justificados(feitos justos, portanto não culpados)

Para que, sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna. Tito 3:7
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Romanos 3:24
Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida. Romanos 5:18

Pela Graça somos redimidos(livres da tirania do pecado)

Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça, Efésios 1:7

Pela Graça somos vivificados (estado de vida)

Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), Efésios 2:5

Pela Graça somos salvos (Seguros Nele)

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Efésios 2:8
Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos; 2 Timóteo 1:9
Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, Tito 2:11
Pela Graça somos agradáveis
Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado, Efésios 1:6

Pela Graça reinaremos

Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. Romanos 5:17


Pela Graça temos dons

De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; Romanos 12:6

Pela Graça servimos

Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos. 2 Coríntios 8:4
De maneira que exortamos a Tito que, assim como antes tinha começado, assim também acabasse esta graça entre vós. 2 Coríntios 8:6
Portanto, assim como em tudo abundais em fé, e em palavra, e em ciência, e em toda a diligência, e em vosso amor para conosco, assim também abundeis nesta graça. 2 Coríntios 8:7

Pela Graça somos o que somos

Mas pela graça de Deus sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã, antes trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus, que está comigo. 1 Coríntios 15:10

A Graça pode ser feita vã nas nossas vidas

E NÓS, cooperando também com ele, vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão 2 Coríntios 6:1
Não aniquilo a graça de Deus; porque, se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu debalde. Gálatas 2:21
Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído. Gálatas 5:4

E mesmo sendo lógico é bom dizer: Isso tudo não vem de obras.

Mas se é por graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça. Se, porém, é pelas obras, já não é mais graça; de outra maneira a obra já não é obra. Romanos 11:6

Assim

Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade. Amém. 2 Pedro 3:18

Ivo Fernandes

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Comentário - Texto "Matrimônio e Família"


Comentário sobre o texto “Matrimônio-família: tensão e sentido, conflito e futuro” do livro “Ética civil e Moral cristã em diálogo” de Bartolomeu Benássar.


A leitura do texto “Matrimônio-família: tensão e sentido, conflito e futuro” me foi extremamente agradável. Confesso que me surpreendi visto que pensava se tratar de um texto fechado em suas análises e extremamente dogmático em seus conceitos. Enganei-me. O autor Bartolomeu Benássar se mostrou muito sóbrio em tudo que disse o que neste comentário só poderei concordar com tudo que ele disse apesar de não ver o casamento como sacramento, mas até neste ponto considero o comentário do texto extremamente válido.

A abordagem do autor foi fundamentada na realidade onde há muitas famílias em crise e onde o matrimônio está em crise. E desafiou a igreja a repensar seu modelo de atendimento a essa realidade. Afinal o que nos preocupa mais: a instituição matrimonial, as leis e os documentos, ou o casal, a mulher, o homem e as pessoas?

Vivemos num tempo onde já não impera mais convencionalismos e procedimentos. Um bom número de jovens solteiros vivem juntos sem estarem casados, e muitos deles mantêm relações estáveis análogas a do matrimônio, e isto é uma forma de dizer que o matrimônio instituído não é necessário para o casal. A igreja não pode ignorar essa realidade.

Pastoralmente precisamos apreciar mais o casal e todo o seu significado de dignidade das pessoas, de liberdade, de estabilidade e de amor do que a institucionalização do matrimônio. Pois afinal o que constitui um casamento? Ora o casamento consiste na adesão da vontade de uma pessoa – sentimento e razão – a outra pessoa.

A “indissolubilidade” do casal não depende da assinatura de alguns documentos - mesmo que seja diante da igreja – mas da solução favorável pelos dois membros do casal e para eles, das tensões difíceis e conflitivas. E isso tudo na base do amor. Pois sem amor não há casamento logo não há como falar de indissolubilidade.

Interessante que uma vez falando algo semelhante entre pastores fui admoestado que o casamento não pode viver sob a ilusão do amor e que precisa da força da ordem para continuar a existir. A meu ver isso é profano. Deus é amor e, portanto não há como se está casado diante Dele se não for por amor.

O amor é a consciência de que o outro é igual e diferente, complementar e necessário. Amor que admira e vê o outro, e o conhece, ou seja, o faz nascer, o faz ser. Amor reconhecido e agradecido. Sem amor não há como curar as feridas, reconhecer os erros e agir com perdão. Portanto sem amor não há casamento.

Quando Deus diz “não é bom que o homem esteja só”(Gn 2.18), afirma que, por si mesmo o homem não realiza totalmente sua essência. Ele a realiza unicamente existindo “com alguém” e, mais profunda e completamente, existindo “para alguém”. Assim o homem e a mulher não se casam para satisfazer a concupiscência, nem para a procriação. Eles se casam porque é no amor dirigido ao outro que cada um se completa a ponto de serem feitos um.

Isso é forte e é divino tão quanto é humano. Mas não penso que isso se forme de maneira sacramental. Essa mentalidade que fez do casamento em nossa época o sábado que não pode ser quebrado, senão com risco de condenação é eterna, não carrega o espírito do Evangelho.

O Antigo testamento reflete uma visão “dessacralizadora” do matrimônio ao considerá-lo como uma realidade terrena, regida por costumes familiares e populares, independente de cultos oficiais e de ritos sagrados. No Novo Testamento Paulo fala de um símbolo que se tem no casamento do amor de Deus pela igreja e vice-versa. Assim pela via do símbolo o casamento é o amor entre duas vidas e não o contrato matrimonial diante de qualquer autoridade.

Dessa forma casa-se antes de qualquer celebração ou ato litúrgico. E da mesma maneira que se casa pode se ocorrer a ruptura antes de qualquer documento oficial de divórcio. Deste modo, consideramos o matrimônio como uma união estável e firme, mas não indissolúvel por natureza em virtude de uma lei. Por não pensar assim a igreja tem marginalizado os que na vida se equivocaram ou fracassaram.

Sei que muitos usarão textos bíblicos para tentar refutar o que aqui escrevo, mas o Evangelho nos mostra o ideal, mas nos mostra que no caminho as falhas na busca do ideal são vistas com misericórdia. O que falta é a igreja pastorear as ovelhas, conforme o pedido de Jesus a Pedro. Falta-lhe entender que o casamento está baseado no amor e que, contudo a ruptura real e irreversível da vida matrimonial reclama a possibilidade de um recurso ao divórcio, o que às vezes como fala Caio Fábio é um mal menor.

Diante da realidade do divórcio a igreja deveria ajudar na recuperação das pessoas, não para o bem do vínculo que já não existe, buscando caminhos e soluções, nunca fechando as porta à possibilidade de um novo casamento. As pessoas casadas e agora divorciadas e/ou casadas de novo, não deveriam ser excluídas da comunidade sob nenhum aspecto.

A Ele seja a Glória

Ivo Fernandes

sábado, 11 de agosto de 2007

A PARÁBOLA DA MENTE ESTREITA

Certo dia, ao atravessar uma ponte, vi um homem em pé na beirada a ponto de pular. Corri, então, em sua direção, e disse-lhe: “Pare! Não faça isso!”

“E por que eu não deveria?”, perguntou ele.

Eu disse: “Bem, há tanto pelo que se viver!”.

Ele disse: “Como o quê?”

Eu disse: “Bem, você é religioso ou ateu?”

Ele disse: “Religioso”.

Eu disse: “Eu também. Você é católico ou protestante?”

Ele disse: “Protestante”.

Eu disse: “Eu também! Você é episcopal ou batista?”

Ele disse: “Batista”.

Eu disse: “Puxa! Eu também! Você é da Igreja Batista de Deus ou da Igreja Batista do Senhor?”

Ele disse: “Igreja Batista de Deus”.

Eu disse: “Eu também! Você é da Igreja Batista de Deus Original ou da Igreja Batista de Deus Reformada?”

Ele disse: “Igreja Batista de Deus Reformada”.

Eu disse: “Eu também! Você é da Igreja Batista de Deus Reformada em 1879 ou da Igreja Batista de Deus Reformada em 1915?”

Ele disse: “Igreja Batista de Deus Reformada em 1915!”

Eu disse: “Então morra, seu herege!”, e, com imenso desgosto, o empurrei.

Texto extraído de “Histórias que Abrem a Janela Mais Ampla de Deus”, DeVern Fromke, Edições Tesouro Aberto

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Conversa sobre o grão de trigo


Olá, Ivo!

Sabe aquele versículo de Jo 12.24, em que se diz que o grão de trigo tem cair na terra e morrer pra que dê fruto? Bem, eu sempre entendi que esse morrer fosse o que se escuta na igreja como morrer pro mundo, ou seja, abandonar determinadas práticas e tal. Mas o que tal versículo abrange, então?


S.A


Resposta


Querida,


Penso que o grão de trigo de João 12.24 refere-se a Jesus que ensinava aos gregos (ver contexto) que o principio da vida estava na morte e que, portanto para o homem existir o próprio Deus se esvaziou (Fp 2.7). Portanto Ele como grão deu sua vida para gerar vida. Pensar esse texto dentro das obrigações ‘morais’ impostas aos crentes é empobrecer o texto e tirar seu significado. Nossa morte não está em nenhuma ação nossa, mas na fé no Filho de Deus que morreu para dá vida. Assim é que Nele podemos dar frutos. Se não for assim toda nossa tentativa de morrer só nos deixará cada vez mais ‘vivos’ porém cheios de angustia e medo.


Abraços

Palavra de Grande Inquisidor



“De tudo o que Dostoievski escreveu em Os Irmãos Karamazov o que mais me impressionou foi o incidente do “Grande Inquisidor”. É assim: Jesus havia voltado à terra e andava incógnito entre as pessoas Todos o reconheciam e sentiam o seu poder, mas ninguém se atrevia a pronunciar o seu nome. Não era necessário. De longe o Grande Inquisidor o observa no meio da multidão e ordena que ele seja preso e trazido à sua presença.. Então, diante do prisioneiro silencioso, ele profere a sua acusação.
“Não há nada mais sedutor aos olhos dos homens do que a liberdade de consciência, mas também não há nada mais terrível. Em lugar de pacificar a consciência humana, de uma vez por todas, mediante sólidos princípios, Tu lhe ofereceste o que há de mais estranho, de mais enigmático, de mais indeterminado, tudo o que ultrapassava as forças humanas: a liberdade. Agiste, pois, como se não amasses os homens... Em vez de Te apoderares da liberdade humana, Tu a multiplicaste, e assim fazendo, envenenaste com tormentos a vida do homem, para toda a eternidade...”
O Grande Inquisidor estava certo.Ele conhecia o coração dos homens. Os homens dizem amar a liberdade, mas, de posse dela, são tomados por um grande medo e fogem para abrigos seguros. A liberdade dá medo. Os homens são pássaros que amam o vôo, mas têm medo dos abismos. Por isso abandonam o vôo e se trancam em gaiolas.”

“Somos assim:sonhamos o vôo mas tememos a altura . Para voar é preciso ter coragem para enfrentar o terror do vazio. Porque é só no vazio que o vôo acontece. O vazio é o espaço da liberdade, a ausência de certezas. Mas é isso o que tememos: o não ter certezas. Por isso trocamos o vôo por gaiolas. As gaiolas são o lugar onde onde as certezas moram.
É um engano pensar que os homens seriam livres se pudessem, que eles não são livres porque um estranho os engaiolou, que eles voariam se as portas estivessem abertas. A verdade é oposto. Não há carcereiros. Os homens preferem as gaiolas aos vôos. São eles mesmos que constroem as gaiolas em que se aprisionam...”

“Deus dá a nostalgia pelo vôo.
As religiões constroem gaiolas”

“Os hereges são aqueles que odeiam as gaiolas e abrem as suas portas para que o Pássaro Encantado voe livre. Esse pecado, abrir as portas das gaiolas para que o Pássaro voe livre, não tem perdão. O seu destino é a fogueira. Palavra do Grande Inquisidor”

Rubem Alves
Correio Popular
22/05/05

Chão do céu



Os caminhos da vida são mistérios
Quem entre nós pode acrescentar um fio de cabelo a nossa cabeça?
E mesmo assim por aqui habita a arrogância

Era para ser um dia normal
Mas de repente a agulha do tricô caiu e já não havia mais quem tricotasse
Essa é uma dor estranha
Não temos o destino nas mãos e não somos nós que tricotamos a nossa história

Hoje pensando naqueles que ao chegar ao chão foram aos céus
Perguntei-me o que estava fazendo da minha vida
De repente de nós pode ser tirado mulheres, filhos e netos
Ou ainda sermos nós que não mais estaremos na vida deles
Quem sabe tudo se vá junto
Qual será a maior dor?

Pensei hoje nos meus filhos
E como eu poderia brincar mais com eles
E como eu poderia dizer o quanto os amo
Pensei em minha mulher
E lamentei pelo tempo perdido
E agradeci pelo tempo que ainda tenho

Quem somos?
O que somos?
O que é a vida?
Qual é a história?

Faz muito tempo que deixei de falar como alguém que sabe
Sim, confesso hoje que não sei
Principalmente não sei o que dizer
Olho pela minha janela e vejo a vida acontecendo
Pergunto-me se sabemos o que estamos fazendo
Questiono-me se entendemos que a vida é frágil
Há tanta correria
Há tantos planos sendo traçados
Tantos projetos
Sinto falta de mais tempo na varanda
Sinto falta de simplesmente estar sentindo a vida

Hoje sentimos a dor da morte porque as chamas nos chamaram a atenção
Mas penso na morte da vida dos que ainda sobre este chão caminham
Não percebemos que somos nós que estamos construindo a história

Para muitos a vida acabou
Para muitos a vida só está começando
Mas talvez para a maioria já se perdeu o significado da vida
Lembro das lágrimas daqueles que em desespero ouviram o nome dos seus como sentença do fim
E vi como também esquecemos do Dia que de novo os nomes serão citados
Não por um mensageiro da morte, mas pelo Autor da vida
Nome novo para uma nova vida

Talvez essa seja a única esperança num mundo de caos
Muitos naquele dia deixaram o solo da confusão
Muitos ficaram com a dor e desespero
Outros fizeram perguntas que não terão respostas
Para a maioria de nós que apenas lemos a respeito logo será esquecido
Para a infelicidade geral breve outras chamas nos chamarão a atenção
Agora apenas sei que me foi dado o dia de Hoje o momento do Agora
O que eu vou fazer com ele é minha grande missão.

Ivo Fernandes (20 de julho de 2007)

1 Coríntios – Uma síntese

A Certeza Deus é fiel (1.9) A Promessa Ele os conservará firmes até o fim, de modo que sereis irrepreensíveis no Dia de no...