sábado, 11 de agosto de 2007

A PARÁBOLA DA MENTE ESTREITA

Certo dia, ao atravessar uma ponte, vi um homem em pé na beirada a ponto de pular. Corri, então, em sua direção, e disse-lhe: “Pare! Não faça isso!”

“E por que eu não deveria?”, perguntou ele.

Eu disse: “Bem, há tanto pelo que se viver!”.

Ele disse: “Como o quê?”

Eu disse: “Bem, você é religioso ou ateu?”

Ele disse: “Religioso”.

Eu disse: “Eu também. Você é católico ou protestante?”

Ele disse: “Protestante”.

Eu disse: “Eu também! Você é episcopal ou batista?”

Ele disse: “Batista”.

Eu disse: “Puxa! Eu também! Você é da Igreja Batista de Deus ou da Igreja Batista do Senhor?”

Ele disse: “Igreja Batista de Deus”.

Eu disse: “Eu também! Você é da Igreja Batista de Deus Original ou da Igreja Batista de Deus Reformada?”

Ele disse: “Igreja Batista de Deus Reformada”.

Eu disse: “Eu também! Você é da Igreja Batista de Deus Reformada em 1879 ou da Igreja Batista de Deus Reformada em 1915?”

Ele disse: “Igreja Batista de Deus Reformada em 1915!”

Eu disse: “Então morra, seu herege!”, e, com imenso desgosto, o empurrei.

Texto extraído de “Histórias que Abrem a Janela Mais Ampla de Deus”, DeVern Fromke, Edições Tesouro Aberto

2 comentários:

Dos dois lados do Equador disse...

Ivo,
Novo blog, boas e "velhas" idéias.
Paz,

.Carol. disse...

AhuaHuahU

Ídolos – da construção à necessidade de destruí-los

O termo ídolo não é um termo usado em nossa nação comumente. Aparece mais nos discursos evangélicos numa referência a qualquer entidad...