sábado, 8 de setembro de 2007

O Caminho em mim



Desde o dia em que iniciei uma estação do caminho da Graça em Fortaleza que sinto que a maioria dos meus amigos sente-se desconfortável. Uns foram expressamente proibidos de ‘visitarem’ a estação, outros foram apenas advertidos a respeito da seita que começava por aqui. Outros não querendo machucar o coração da liderança decidiram não conhecer, e há os que não sabem e que na dúvida preferem nem arriscar. Mas ainda existem aqueles que sabem que tinham que vir, mas... Bom, sem contar com os que acreditam nas mentiras inventadas.


Há os que dizem que o Caminho é uma seita, mas isso desde o tempo dos apóstolos que dizem. Há os que acreditam que é a igreja do pastor Ivo que nasceu de uma divisão. Há quem ache que roubei ovelhas de outros pastos. Enfim, são muitas as histórias e todas conforme o espírito fariseu presente dentro das denominações religiosas evangélicas.


Ora, o que ninguém parece entender é que o Caminho não está aqui para ser mais uma opção de igreja evangélica. Assim quem for evangélico não precisa nem falar sobre o Caminho.
O Caminho não pretende ser uma reforma aos moldes da protestante, e isso porque já não cremos que vinho novo possa estar em odres velhos. Ora, nem Jesus veio para reformar o judaísmo, quanto mais o caminho da Graça para reformar o cristianismo. Jesus veio como a Palavra encarnada, e o caminho da Graça está aqui para anunciar as Boas Novas.


Não queremos entrar nesta disputa eterna entre os evangélicos para saber quem está com a razão, para nós Cristo é a Verdade. Na verdade quando iniciei a estação foi porque acreditava no Evangelho que também estava sendo pregado por outros irmãos em outras estações pelo Brasil. Conforme o Caio disse: - O “Caminho da Graça” é para gente do Caminho de Jesus e que está buscando de modo social e comunitário aquilo que já crê de modo individual e existencial - Assim só estou no caminho da Graça porque o Caminho já estava em mim. E ainda conforme o Caio: - o “Caminho da Graça” não é para gente que precisa ser “convencida” de que lá-aqui é o seu lugar-andante –


Por isso aqueles que chegam com amargura no coração dispostos a se vingarem de suas instituições não ficam. Os que procuram novidade, moda, não ficam. Não há no Caminho proselitismo, há, apenas, quem ouviu e creu na Boa Nova.


Assim, aos meus amigos digo, não se preocupem comigo, não posso ser uma ameaça, já que não consto na lista das opções evangélicas. Isso tudo é apenas um modo de ser no Caminho.


Agora se alguém que estiver lendo este texto for discípulo da consciência do Evangelho, e deseja conviver com outros discípulos, seja bem-vindo à estação do Caminho da Graça em Fortaleza. Se não compreendeu ainda, ou se seu espírito é religioso a lista é grande de opções para você, só não há lugar no Caminho, posto que para se andar no Caminho é necessário fé para se trilhar o Caminho estreito da negação da justiça-própria, do esvaziar de todo juízo contra o próximo, do abandonar das certezas religiosas.


Termino aqui, juntado minhas palavras as de Caio Fábio quando disse que é conforme o Evangelho que o “Caminho da Graça” está caminhando feliz e em paz!

Nele que é Caminho no coração dos discípulos

Ivo Fernandes
(Escrito em 2006)

3 comentários:

Edemir Antunes Filho disse...

Irmão Ivo,
graça, paz e bem!

Parabéns pelo blog e por caminhar debaixo da gratuita direção do Cristo Ressurreto.

Felicidades!

Israelito disse...

Oi !!!
Te conhecço e sou teu irmão em Cristo e amigo.
O Caio, teve grande influência em minha vida, no princípio pelos seus escritos, depois seus sermôes, e pelos diversos Congressos da vide em fortaleza, participando da mesma equipe que ele.
Gostaría de entender um pouco mais a respeuito do Caminho ?
É possível mandares algo por E-mail ?
Parabens pelo Blog, tenho visitado-o na medida do possível.
Um forte abraço.

Dos dois lados do Equador disse...

Ivo,
O medo é nada mais que a ausência do amor.
E o medo da vida tem feito os cristãos perderem-se na própria vida.
Bjão e Paz,

O papel das emoções no desenvolvimento do câncer

O tema proposto ainda é motivo de discussões entre especialistas, apesar da crescente admissão da relação entre as emoções e as doença...