Amazing Grace



A primeira vez que ouviu a música foi na versão do conjunto Voz da Verdade em 1998. Hoje aquela que já era uma das minhas músicas prediletas ganhou mais significado ainda. Assistindo o filme que leva o mesmo nome da música descobri que o hino Amazing Grace está na sua origem ligado à luta pela abolição da escravatura. John Newton (1725-1807), autor da letra, gastara parte da sua vida no comércio de escravos, até o dia em que experimentou uma conversão ao Deus da Graça.

Newton viria a ser um entusiasta discípulo de George Whitefield e conheceria John Wesley. Tornou-se pastor. Tornou-se amigo do poeta William Cowper. Juntos trabalharam nos cultos semanais, em reuniões de oração e na produção de um novo hino para cada culto da comunidade. Escreveu Amazing Grace, em Dezembro de 1772, apresentando-o à sua congregação no culto do dia 1 de Janeiro de 1773.
O Filme narra à história de William Willberforce (1759-1833) que ouviu Newton pregando. William Willberforce era membro da Câmara dos Comuns desde os vinte e um anos, recém convertido, procuraria o seu conselho pastoral junto de Newton. Em 1786 Willberforce entenderia que a sua missão de vida passaria a ser a luta pela supressão da escravatura e a reforma social. O ex-traficante de escravos Newton, agora pastor e determinado a combater a escravatura, tornar-se-ia uma grande inspiração para a gigantesca luta de Wilberforce.
O comércio de escravos foi oficialmente abolido em 1807 embora a completa abolição tivesse ocorrido apenas em 1833, ano da morte de Wilberforce. O seu sonho realizar-se-ia.
Outras ações de Wilberforce foram a criação da Sociedade Bíblica, além de diversas reformas sociais. Foi um grande crítico do cristianismo frio e acomodado de sua época.
No filme há uma cena de William Wilberforce cantando o hino. Este hino - Amazing Grace é, pois um hino que tem cruzado os séculos e cuja história se encontrou com a da luta pela abolição da escravatura. Também foi cantado pelos manifestantes civis quando Martin Luther King partilhou de seu sonho. Foi réquiem para os cherokees na trilha das lágrimas. Foi cantado quando Nelson Mandela saiu da prisão; quando o muro de Berlim caiu; e no dia triste de 11 de setembro.
Emocionei-me quando descobri tais coisas do hino que por vezes no meu quarto cantei em meio a lágrimas. Emocionei-me em conhecer mais irmãos como Newton e Wilberforce. Eles me fizeram continuar acreditando nesta fé que se manifesta na vida.
Minha oração é apenas um amém para o que Newton disse:
Eu sou...
Eu não sou o que eu poderia ser,
Eu não sou o que eu deveria ser,
Eu não sou o que eu gostaria de ser,
Eu não sou o que eu pretendo ser,
Mas agradeço à Deus
Que não sou o que uma vez já fui.
E posso dizer
Com a graça de Deus,
Eu sou o que eu sou!"
Em 1782, Newton disse: "Minha memória já quase se foi, mas eu recordo duas coisas: que eu sou um grande pecador, e que Cristo é meu grande salvador!"
Ivo Fernandes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amizades reais em tempos virtuais

A conformidade com o mundo e a banalidade do mal

Cristo nossa páscoa e esperança