Uma reflexão – confissão – oração


É impressionante nossa capacidade de julgar. Somos cheios de juízo até mesmo quando afirmamos que nossa denúncia não se dirige a pessoas e sim a fatos ou palavras ditas por elas. A verdade é que constantemente só mudamos de grupo, de time, de gueto, de bando, de religião, mas continuamos os mesmos, cheios de juízo contra o próximo. Muitos ao trocarem de grupos passam a “lançar no inferno” todos os que antes chamavam de irmãos.

Eu confesso meu pecado. Falta-me muito para ter minha língua controlada. Quantas vezes quando abrimos a boca para falar sobre quem quer que seja pensamos nos efeitos dessas palavras na vida dos indivíduos envolvidos e suas famílias?

Não quero viver uma reforma ou revolução que precise destruir o outro, seja o outro quem quer que seja. Desejo pregar o Evangelho respeitando sempre a alma do próximo. E creio que isso sim, é possível. Quero continuar com a liberdade de dizer tudo o que penso e sinto, mas sem precisar ferir quem quer que seja.

Não quero que minhas tristezas resultantes do que fizeram e fazem contra mim me tornem um ser humano amargurado que sai usando a língua como instrumento de vingança.

Desejo aprender a ouvir mais e falar menos. Quero aprender a guardar segredos. Que jamais use contra alguém o que este alguém me confidenciou, nada é mais cruel que isso. Que Deus me ajude a controlar a ira, a raiva, ou sentimentos autojustificados de vingança que impulsionam a língua ferina.

Desejo ser filho de Deus, um pacificador e não um semeador de contendas. Que não me torne tolo imaginando que é preciso denunciar o outro para poder pregar a verdade, que eu saiba que a verdade em si já é uma denúncia contra toda mentira.

Que eu aprenda o que Caio ensinou: “Grande, todavia, é a alegria daquele que segura a sua língua mesmo quando poderia vencer uma peleja mediante a confissão de um segredo do outro.”

Dá-me Senhor amor, pois ele cobre multidões de pecados. Lembra-me sempre que uma palavra dita é sem volta e pode matar vidas mesmo que a intenção não tenha sido essa.

Dá-me Senhor paciência e fé, e lembra-me que é por minhas palavras que serei julgado. E que com a medida que medi hei de ser medido. Que meus olhos estejam voltados para mim.

Ivo Fernandes
12 de agosto de 2008

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amizades reais em tempos virtuais

A conformidade com o mundo e a banalidade do mal

Cristo nossa páscoa e esperança