quarta-feira, 29 de julho de 2009

A Ética do Reino e a questão do pecado


Jesus Cristo é Deus Revelado, História Revelada e Homem Revelado. E como homem revelado é Nele que se manifesta o Homem Real, mas aqui faço uma distinção do homem ideal, conforme o modelo platônico, pois este é referência para juízo das cópias, àquele é realidade para pôr fim ao que não é. Daí, todo homem não conformado à imagem do Homem Real não ser Homem Pleno, resultando disto o Homem Pecado. No homem ideal nasce a possibilidade do juízo, no homem real, por nos escapar enquanto referência não temos como fazer tal juízo, pois o homem pecado só pode saber do real mediante o Espírito e não por referência.

O homem pecado é o mesmo desintegrado da realidade, é o homem em desarmonia, senhor de si – mesmo – que é imagem – e não do eu. É o homem que vive à margem do Real e por isso é filho da morte, escravo do pecado, filho do diabo.

Somente quando o homem pecado é exposto ao Homem Revelado e que O reconhece é que a conversão se processa. É no reconhecimento de quem não somos que está o arrependimento. Não há verdadeira metanóia sem a consciência da culpa que só se manifesta ante o Homem Revelado. E isso é Graça, visto ser impossível ao homem pecado tal consciência ser gerada por si mesmo.

Pecado tratado apenas como ato é diminuição de fato do pecado. O pecado é o que sou enquanto si mesmo, sendo o que faço apenas consequência natural disso. Sem confissão do pecado do si mesmo não há conformação ao Homem Revelado.

Quando se mantém o foco no pecado-ato nasce à moral humana com seus meios de julgar os homens os separando em categorias. Todo juízo nasce da moral humana e toda moral nasce da diminuição do pecado em categorias-atos e não em existência-essencial. Quando reconhecemos o pecado que somos o meu pecado é o pecado de todos e o pecado de todos é o meu pecado.

Sem a confissão do pecado que sou em si mesmo, ficaremos presos nas polaridades dos juízos humanos. Por tudo isso é que se está dito que não há um justo sequer. Nada que o homem faça o justifica, seu estado é essencial e não acidental. Assim todo homem só está justificado em Cristo e jamais fora Dele.

Somos salvos pela Graça, mediante a fé, porque nossa salvação está num fundamento fora de nós. Só no Homem Revelado somos e estamos sendo salvos.

Ivo Fernandes
29 de julho de 2009

(Reescrito em 17 de maio de 2016)

Nenhum comentário:

Ídolos – da construção à necessidade de destruí-los

O termo ídolo não é um termo usado em nossa nação comumente. Aparece mais nos discursos evangélicos numa referência a qualquer entidad...