quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Entrevista Concedida ao aluno Sérgio Marçal do STPC.

1) Faça uma breve biografia sua.

Meu nome é Antônio Ivo Soares Fernandes, nascido em Fortaleza-CE. Desde a minha infância estou envolvido com a igreja cristã. Tive algumas experiências de conversão e as continuo tendo no decorrer destes anos. Lembro-me da primeira aos oito anos de idade, outra aos quinze, ano em que comecei a pregar. Na infância congregava em uma igreja Batista, batizei-me numa Assembléia de Deus, e depois tive, como pregador e professor, envolvimento com vários ministérios diferentes desde as igrejas pentecostais até as históricas. Atualmente sou mentor da estação do Caminho da Graça em Fortaleza. Sou casado com Janaína e tenho duas filhas, Ivna (9) e Cecília (1).

2) Qual o nome de seu ministério?

Pertenço a um movimento chamado Caminho da Graça, que tem o pastor Caio Fábio como mentor do processo.

3) Qual a principal linha teológica defendida?

Nosso movimento não tem uma linha teológica definida. Eu, enquanto indivíduo, possuo grande simpatia pelas teologias que não se encerram na arrogância de acabadas.

4) Em que assunto geralmente consiste o sermão?


Acredito que todo sermão precisa essencialmente ser cristocêntrico.

5) Qual seu conhecimento acadêmico?

Sou formado em teologia, com especialização em teologia contemporânea. Atualmente me especializo em pedagogia.

6) Tem alguma especialização ou conhecimento aprofundado em homilética? Comente.

Especialização não, mas tive uma boa experiência na graduação. Tive um professor dinâmico e criativo, que me fez ver a homilética com olhos de graça e me encantar pela pregação.

7) Qual a importância do curso teológico em sua opinião?

O curso de teologia é excelente para quem possui maturidade e uma base educacional. Claro que isso a associado às próprias metodologias de ensino. Sem essas coisas a teologia pode enganar o indivíduo com a pretensão de se sentir senhor da verdade.

8) Quanto tempo dedica para estudar a Bíblia?

Estudo a Bíblia todos os dias, pelo menos 2 horas diárias.

9) Como se utiliza do conhecimento histórico nas pregações?

O conhecimento histórico é uma excelente ferramenta para enriquecer a pregação, e para melhor facilitar o entendimento do texto bíblico e a devida aplicação contemporânea.

10)Concorda em fazer aplicações pessoais nas pregações? O que acha? Com que frequência realiza?

Concordo. Pessoalizar a pregação a deixa mais próxima dos ouvintes, porém é preciso cuidado, para não perder o foco da mensagem tornando-a apenas numa autobiografia.

11)Como vê a questão da relação entre o caráter do pregador e o púlpito?

O grande problema da sociedade cristã contemporânea é justamente a falta de caráter dos pregadores. Penso que a boa mensagem é aquela que antes de se manifestar em palavras é manifesta pela vida dos pregadores.

12)Qual a sua opinião sobre o caráter predominante dos pregadores nos dias de hoje?

Os pregadores de hoje em sua grande maioria possuem caráter duvidoso. Muitos apenas desejam vender a própria imagem. Pensam apenas em lucro. Não possuem amor sincero pelo Evangelho e nem pelas vidas humanas.

13)Em sua opinião, a pregação através de um homem que vive na prática contrária a Palavra, é eficaz e valida? O que acha?

Acho muito difícil um homem pregar o Evangelho de fato quando vive na contramão dele, mas supondo que pudesse pregar a Verdade mesmo agindo contrária a ela, acredito que fosse (a mensagem) poderosa para alcançar vidas.

14)É possível um pregador viver em paz consigo quando seus conceitos divergem muito da maioria?

Sim. Desde que suas convicções sejam produtos do refletir sincero sobre o Evangelho.

15)Como vê a pregação contemporânea?

Vejo que hoje seguimos três linhas bem evidentes, a que possuem sua base na teologia da prosperidade e outra que possui sua base nas confissões reformadas e a que busca tornar o Evangelho relevante para nossa geração. A primeira, vejo como adulteração da mensagem do Evangelho, a segunda vejo como infrutífera, a terceira vejo com desafiante para todo pregador que ama de fato a mensagem.

16)O que acha da quantidade de ministérios ou placas dentro de nosso estado hoje?

Lamentável. Visto que a maioria desses ministérios nasceu como fruto da ganância de alguns homens.

17)O que atribui aos frequentes escândalos no meio evangélico?

Falta de Evangelho genuíno. Cegueira do povo que não quer assumir uma atitude crítica. Impunidade.

18)Quanto ao louvor moderno, podemos acreditar que estamos realmente adorando a Deus, com esta diversidade de composições?

Não. Para mim o louvor moderno é apenas uma estratégia de venda e também de manipulação das mentes fracas que vivem a procura de ídolos para cultuarem.

19)Concorda com a obrigatoriedade do dízimo na igreja de hoje?

Não. Está em desacordo com o princípio do Evangelho.

20) Que mensagem deixaria para aproximar ao máximo o meio cristão do reino ideal, nos dias de hoje?

A mensagem é um chamado a conversão. A igreja cristã precisa converte-se ao Senhor da Vida e praticar os mandamentos e pregar o Evangelho. Quando essa geração de fato se converter, abandonando seus cultos-shows, seus cantores-pastores ídolos, suas manipulações e busca desenfreada por dinheiro; quando abrir mão dos legalismos sufocantes, das hierarquias esmagadoras, da futilidade cristã; aí poderemos começar a ver a manifestação do Reino.

A mensagem é a mesma: Arrependei-vos porque o Reino está entre nós e o machado está posto a raiz das árvores.

Nenhum comentário:

Ídolos – da construção à necessidade de destruí-los

O termo ídolo não é um termo usado em nossa nação comumente. Aparece mais nos discursos evangélicos numa referência a qualquer entidad...