terça-feira, 20 de abril de 2010

O custo do discipulado e minha hipocrisia


Quanto mais me debruço sobre o significado do Reino mais ganho consciência de minha hipocrisia. A proposta de Jesus é radical, o abandono de todo esquema individual pela completa compreensão do coletivo. Porém sou mais um na multidão dos ouvintes que ignoram sua mensagem e aguardam qualquer milagre que seja. Não faço parte do minoritário grupo de discípulos que deixaram tudo e O seguiram.

Meu arrependimento tornou-se algo moral e ignorei o fato que se tratava de uma mudança radical de valores. Sou ouvinte, mas não praticante dos mandamentos de Jesus. Faço parte da religião cristã, mas não dos que carregam no corpo as marcas de Cristo.

Talvez alguns leitores pensarão que estou exagerando, e que Jesus não fez uma proposta tão radical assim. Querem fazer do ‘tudo’ de Jesus algo que signifique menos, e como sempre tentamos encaixotar Deus em nossos conceitos e desejos.

Fiz a conta do discipulado e percebi que não estou disposto a tanto. Isso me põe num dilema, pois não consigo seguir os passos do Mestre, mas não consigo Dele me ausentar.
Será ser preciso que a perseguição me alcance e a tragédia me tome para que enfim aprenda a ser discípulo? Quando será que radicalmente abrirei mão de tudo?

Alguns me dirão que não existem pessoas assim, isso porque estão acostumadas apenas com os bons cristãos que pregam belas mensagens ao mesmo tempo em que lutam para sustentar seu padrão de vida. Porém existe sim, um grupo de discípulos que não sabemos nomes, mas que são conhecidos pelos céus. Os heróis de nosso tempo, nossos exemplos são meras ilusões que nos mantém presos a um estilo de vida contrário ao Reino, na medida em que eles mesmos também se mantêm.

Confesso que sou apenas um pregador profissional e isso faz de mim um hipócrita, pois falo do que sei, mas não do que faço. Ainda não me arrependi, sendo apenas um filho do mundo, que vislumbra o Reino, mas não o toma pela força, pois gasta todo seu tempo em manter a sua vida confortável.

Quando me esvaziarei de tudo para entrar no Reino que tem suas portas do tamanho dos buracos das agulhas? Deus, quem pode salvar-se? Aos homens isso é impossível.

Ivo Fernandes
20 de abril de 2010

Um comentário:

Alexandre Pitante disse...

Paz, Ivo.

Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus lhe continue abençoando poderosamente.

Estou seguindo o vosso blog.

Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

http://www.alexandrepitante.blogspot.com/

Siga-nos também.

Fica com Deus.
Um abraço, Alexandre Pitante.

Ídolos – da construção à necessidade de destruí-los

O termo ídolo não é um termo usado em nossa nação comumente. Aparece mais nos discursos evangélicos numa referência a qualquer entidad...