terça-feira, 31 de agosto de 2010

Admiradores e amigos



Ontem li um texto do Caio e lembrei-me dos amigos que outrora pensei que fossem. Lembrei do dia que diante de um deles disse que havia muitos que me admiravam, mas pouquíssimos que me amavam, pois quem admira foge, abandona quando frustramos suas expectativas, quem ama não tem expectativa nenhuma em relação ao outro, apenas ama, e por isso na hora da calamidade está junto.

Lembro-me que ele me disse que fazia parte dos que me amavam, e lembrei-me de Pedro quando disse que jamais negaria. E assim foi. Este amigo deixou de ser, e não quis sofrer afrontas perto daquele que para ele agora não era nada.

Aprendi muitas coisas nesta pequena caminhada e uma delas foi não deixar-me levar pelos aplausos, elogios e louvores que nos fazem quando oferecemos algo bom, quando estamos dentro dos interesses projetados em nós. Já não acredito nos lábios que com facilidade declaram seu amor e com a mesma facilidade lhe abandona deixando-o para carregar a cruz sozinho. Aprendi a ser feliz com os poucos que do meu lado estão sem esperar de mim nada.

Entendi que a traição costuma vir de quem um dia muito nos admirou, mas jamais nos amou. Estes são aqueles que só estão do nosso lado enquanto é bom e agradável, mas na hora da aflição dizem que não nos conhecem. Hoje procuro andar de uma maneira que não gere admiradores de minha caminhada, só quero do meu lado quem de mim não se envergonhar, pois de todos os que amo não tenho vergonha alguma. Não quero mais os amigos que só querem me ouvir se for de forma discreta para que ninguém saiba que é de mim que se alimentam.

Quero do meu lado os amigos que não se importem de passar vexame comigo. Quero aqueles que podem chorar comigo. Quero os que enfrentam as consequências de se associar a minha pessoa. Quero os que não se envergonham da minha história e nem dos meus fracassos. Quero amigos que não se escandalizem com a minha humanidade.

Ivo Fernandes (20 de junho de 2007)

4 comentários:

Adriana disse...

LIndo!!!

matou a pau


abs

Adriana Chalela Curdoglo

disse...

Quero aqueles que podem chorar comigo.

Sinto em te dizer isso, mas são estes que te conhecem e choram hoje por vc, são os que te traem meu irmão, quem nos trai são os amigos que nos conhece. A traição sempre vem de quem estar perto, o mais perto possível, infelizmente é assim. Paz meu querido. Adorei seu blog.

Ivo Fernandes disse...

Querida Rô, de fato não há traição se antes não houver confiança. Porém tenho tido a experiência que me faz pensar que quando amigos traem isso ainda é diferente quando admiradores traem.

Um grande abraço

disse...

Sim amor, não há diferença nenhuma. Mas quem nos traem é quem esta perto e nos conhece bem. Bjss

O papel das emoções no desenvolvimento do câncer

O tema proposto ainda é motivo de discussões entre especialistas, apesar da crescente admissão da relação entre as emoções e as doença...