quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Revelação



Revelação é o nome dado ao ato de Deus comunicar-se, comunicação que só é possível por sua própria vontade, sendo assim um ato de Graça. Está intrinsecamente ligada a vontade de Deus que todos os homens cheguem ao pleno conhecimento da Verdade (Ef 4.13; 1 Tm 2.4). Sendo assim, não podemos pensar a Revelação limitada, na verdade ela é livre como a Graça, livre para revelar-se a quem quer, onde quer, e do modo como deseja fazê-lo. E mesmo a Revelação em Cristo não é uma limitação da Revelação ou mesmo um impedimento para que ocorra como, onde e quando quiser, ela é a Revelação, pois a Unidade, plena reconciliação, está manifesta.

Deus antes de haver qualquer criação deu-se por suas criaturas a fim de trazê-las a existência e por fim levá-las a plenitude da realização Nele. O Cordeiro foi imolado antes de haver mundos por toda a criação e não só por um grupo de homens.

A Graça é Universal. A Revelação é Universal. A Salvação é Universal. É por causa disso que mesmo aqueles que não possuem nenhuma informação sobre Jesus Cristo podem tê-lo quanto realidade espiritual. Eis o mistério da Graça!

Sendo Universal, a Revelação não é uma “verdade” dogmática, teológica, um conjunto de textos ou doutrinas, nem mesmo um livro ou religião. A Revelação ocorre nos ambientes da alma humana e se processa na história dos homens. Podemos dizer que a produção humana, como um livro sagrado, faz parte, como veículos de revelação, mas não é a Revelação em si mesma.

É na Humanidade que Deus manifesta-se, e no Homem Pleno estava toda a plenitude de Deus. O homem é um ser histórico, logo a Revelação ocorre na história e pela história, e na história está à produção humana, como a religião. Porém, mesmo estando manifesta, a Revelação não está ao escrutínio do observador humano.

Deus se revela ao homem nas suas contingências históricas e o homem então registra as impressões que essa revelação causou nele. Esta descrição humana das impressões é considerada histórica, mas esta mesma história não pode ser considerada revelação, porque a revelação não é narrativa nem é alguma coisa a respeito de Deus.  A Revelação é dinâmica e não fica presa e nem fixa na história.

Ivo Fernandes
17 de novembro de 2009


 

Nenhum comentário:

Ídolos – da construção à necessidade de destruí-los

O termo ídolo não é um termo usado em nossa nação comumente. Aparece mais nos discursos evangélicos numa referência a qualquer entidad...