segunda-feira, 2 de abril de 2012

O caminho da espiritualidade – o caminho em direção aos estranhos



Já aprendemos que a primeira característica da vida espiritual é o movimento contínuo do isolamento para a solidão. A segunda característica, igualmente importante, é o movimento pelo qual nossas hostilidades podem converter-se em hospitalidade. Esse caminho é cheio de dificuldades, porém é no contexto da hospitalidade que o anfitrião e o convidado podem trazer vida nova um ao outro.

O grande problema desse caminho é nossa concepção do próximo como estranho. Aprendemos que devemos evitar o estranho, seja pela justificativa da segurança ou de preconceitos diversos. O fato é que enquanto o próximo for estranho, seremos hostis a sua presença. E sem encontro com o próximo não há caminho de espiritualidade. Então para isso precisamos desenvolver a hospitalidade, que nada mais é do que uma amizade sem amarras, e uma liberdade sem abandono.

Hospitalidade é a criação de um espaço livre no qual o estranho pode entrar e tornar-se amigo, em vez de inimigo. Não é trazê-los para nosso círculo, mas oferecer uma liberdade sem amarras. É nesse espaço livre que cada um poderá descobrir a si mesmo. Hospitalidade não é um convite sutil para adotar o estilo de vida do anfitrião, mas a dádiva de uma chance para que o hóspede descubra o seu próprio.

Para se criar esse espaço requer concentração e disciplina, pois tal criação nos gera medo já que não somos adaptados a esses espaços vazios de encontro conosco mesmo. A disciplina consiste em trabalhar nossas preocupações diárias que nos impedem da criação desse espaço. Lembremo-nos das palavras de Jesus sobre isso:

Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário? Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas? E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura? E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam; E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé? Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?(Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. Mateus 6:25-34

Nenhum comentário:

Casamento

Uma das queixas mais comuns que atendo na clínica terapêutica diz respeito aos casamentos. De tanta reclamação até parece ser verdade ...