terça-feira, 8 de outubro de 2013

O amor é um sofrer


O amor é um sofrer, e não me refiro aos amores românticos que duram o tempo do seu próprio verão. Amores assim são frutos de vaidades egoístas, justificados pelo tesão que acaba ou surge. Assim os que amam desta forma podem dizer que não tem culpa mais de amar, pois não mandam nos seus sentimentos. Porém quem ama apenas nos eventos de verão nunca amou de fato.

É triste ver o caminho das relações ditas modernas que alicerçadas na justificava do prazer desfazem laços que deveriam permanecer por toda existência. Afinal o que levava mulheres a permanecerem com seus maridos por resto da vida e o que leva ao descarte tão rápido nos tempos atuais?

Ouvi algumas histórias esses dias que ainda não saíram da minha mente. Uma conversa entre uma mãe e uma filha sobre sua separação. A mãe dizia que no seu tempo quando o homem não ‘prestava’ elas o concertavam, e hoje na geração da sua filha elas descartam. Mas ao descartar encontrarão o ideal? O perfeito? E como ele seria? Tratar-se-ia de um que foi amigo de infância, tem coisas semelhantes, saem juntos para festas e bebem entre colegas? O que se faz com as promessas de amor de outrora? São simplesmente esquecidas?

Um amor de verdade não acaba. O que acaba é a decisão de se viver com o sofrer que é lhe é próprio na busca ‘infeliz’ da felicidade. Trocamos a rotina das relações pelos encontros alegres com aqueles que não choraram conosco. Trocamos as construções pelos prazeres de algumas noites. Trocamos o carregar do fardo mútuo por uma caminhada supostamente leve, mas sem a profundidade de um sentir. Abandonamos famílias justificando-se pelo engano das sensações. Esperando o quê?

Contemplem a história ao redor e vejam o fruto deste tempo. O amor está morrendo, porque não desejamos mais sofrer. Queremos apenas a felicidade ilusória garantida pela bajulação, e não pela verdade.

A outra história que ouvi tratava-se um pai falando ao seu filho sobre amor. Dizia ele ao filho que abandonava o lar, “o que você está procurando? Amor? Meu filho, o amor é a decisão de viver com alguém com quem você estabeleceu elos eternos mesmo quando os sentimentos estão frios ou mortos. É essa decisão que mais cedo ou mais tarde fará tudo ressurgir.”

Amar é uma decisão de sofrer e permitir que daí nasçam não felicidades fortuitas, mas alegrias permanentes.
Quem ainda deseja amar e ser amado nos dias de hoje?

Ivo Fernandes
8 de outubro de 2013


Nenhum comentário:

Ídolos – da construção à necessidade de destruí-los

O termo ídolo não é um termo usado em nossa nação comumente. Aparece mais nos discursos evangélicos numa referência a qualquer entidad...