terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

O mandamento da voluntariedade e a necessidade da congregação


Uma coisa é óbvia para qualquer um que pensa a respeito de estruturas congregacionais, elas não existiriam sem reprodução e contribuição. Sem essas duas coisas, multiplicação e contribuição financeira elas não existirão por muito tempo. Assim a questão não se trata de fazer ou não fazer essas coisas, visto que a existência da mesma despende delas, mas porque mantermos uma congregação? e mais precisamente no nosso caso, uma estação?

Com todo conhecimento já adquirido a respeito da liberdade de Deus, da natureza da fé e da relação com o sagrado, a pergunta que parece surgir como necessária é: “pra quer congregar”?

Num tempo onde a perversão está estabelecida em praticamente todo sistema religioso e onde existem tantos cultos virtuais, a existência de uma congregação parece ser no mínimo desinteressante.

No entanto existe um mandamento neotestamentário a respeito da congregação em Hebreus 10.19-25 e esse mandamento é para a vida, pois é na congregação onde posso desenvolver minha espiritualidade, pois a mesma amadurece no encontro não só com Deus mas nos diversos tabernáculos de Deus na terra, e na congregação onde essa afirmação é revisitada constantemente é o melhor lugar para desenvolver isso.
Segundo, é na congregação como fatia da família universal que eu começo a exercer o serviço do amor, o que me seria muito mais complexo sem esse espaço limitado para um ser limitado.
Terceiro, porque é na comunidade onde a Palavra é anunciada que posso me expor a ela sistematicamente e com isso desenvolver a saúde da alma e do espírito.
Assim, sabemos que o mandamento para congregar-se não é para estabelecer uma relação de Deus com você que já está estabelecida desde toda a eternidade, mas para que possamos nos desenvolver, desenvolver a nossa salvação, nosso caráter, nossa fé. É um caminho para que provocado pelos encontros me converta das minhas vaidades e egoísmos e assim prossiga na caminhada do discipulado.
Entendido isso vem a segunda parte, contribuição. Uma congregação só existe na medida que possa ser mantida. E o mandamento para congregar-se também se estende ao contribuir, pois os benefícios são os mesmos.
E assim como congregar-se não tem a ver com Deus mas com a gente, assim também o contribuir.
“Nossa oferta ao Senhor não é de fato uma oferta de Deus. É, antes de tudo, uma oferta de Deus a nós. Quem oferta a Deus, oferta a si mesmo, na medida em que dar, antes de ser uma graça de nós a outros, é uma graça de Deus a nós. Se alguém se comove a dar, humilde e alegremente, é porque já foi tocado pela graça de Deus (Rm. 7:18; Fp. 2:13).” (Uma graça que poucos desejam – Caio Fábio)

Em Cristo, a lei que fazia do dízimo um imposto, ou obrigação caducou. No entanto a graça da contribuição ganhou vida e força. É por essa razão que agradeço a Deus pelas contribuições a Estação e as ofertas que alguns amigos endereçam a mim como pessoa.

E sendo uma graça, contribuir não pode estar atrelado a condição financeira e social. Aliás nas Escrituras e na história quem sempre melhor contribuiu foram os mais pobres. Sendo graça, contribuir é fruto da motivação certa, ou seja, generosidade, amor, caridade, e não de barganhas para com Deus ou o próximo. E sendo fruto da generosidade, não será esmola, ou do que sobra, porque se assim o fosse não seria ato de caridade.

E como um dos princípios fundamentais, está o fato de eu contribuir porque desejo que mais pessoas saibam da mesma Graça que sei e vivo, e aqui não entra só a contribuição para isso, mas minha participação direta no anúncio da mensagem.  E com isso entendo que minha contribuição não pode ser esporádica porque o bem não pode ser esporádico, mas constante e sistemático.

Sabendo que contribuir é uma graça é lógico que ela traz diversos benefícios para a alma, mas a maior delas, penso eu, é livrar o ser da avareza e da dependência e deixa-lo confiante na misericórdia do Senhor.

A pergunta que faço é simples: quantos caminhantes estão dispostos a obediência ao mandamento de congregar-se e contribuir?

Ivo Fernandes
22 de fevereiro de 2015
Sugestão de Leitura: 1 Crônicas 29


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Deus


Por Deus compreendo um ente absolutamente infinito que possui infinitos atributos, cada um dos quais exprime sua essência eterna e infinita. E chamo de eternidade a própria existência não explicada pela duração ou pelo tempo, mesmo que se conceba uma duração sem princípio e sem fim.

Quem é Deus tão grande como o nosso Deus? Salmos 77:13)
Grande é o nosso Senhor, e de grande poder; o seu entendimento é infinito. Salmos 147:5
Mas o Senhor Deus é a verdade; ele mesmo é o Deus vivo e o Rei eterno; ao seu furor treme a terra, e as nações não podem suportar a sua indignação. Jeremias 10:10
Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento. Isaías 40:28
Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entende, e claramente se veem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; Romanos 1:20
O teu trono, ó Deus, é eterno e perpétuo; o cetro do teu reino é um cetro de equidade. Salmos 45:6
Confiai no SENHOR perpetuamente; porque o SENHOR DEUS é uma rocha eterna. Isaías 26:4
Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, mesmo de eternidade a eternidade, tu és Deus. Salmos 90:2

Por força desse raciocínio Deus existe necessariamente! E não há nenhuma razão ou causa que impeça que Deus exista ou que suprima sua existência, deve-se, sem dúvida, concluir que ele existe necessariamente.

Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam. Hebreus 11:6

Sendo Deus Absoluto e Eterno também é Único. E em sendo único, logo tudo o que se segue Dele procede, pois tudo existe em Deus e sem Deus nada pode existir nem ser concebido.

Ora, o medianeiro não o é de um só, mas Deus é um.
Gálatas 3:20
Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. 1 Timóteo 2:5
 Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Deuteronômio 6:4
Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém. Romanos 11:36
Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele. 1 Coríntios 8:6
E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos. 1 Coríntios 15:28

E sendo Eterno, Absoluto e Único não pode ser coagido por ninguém, pois só Ele e causa de Si memo.

Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Gálatas 6:7
Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria? Números 23:19
Ao Todo-Poderoso não podemos alcançar; grande é em poder; porém a ninguém oprime em juízo e grandeza de justiça. Jó 37:23
Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Tiago 1:13

Se Deus não pode ser coagido por nada, também não pode mudar.

Porque eu, o Senhor, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos. Malaquias 3:6
E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Romanos 1:23

Se não pode mudar então tudo Nele é a mesma coisa, Ele não sofre mudança, assim todas as vezes que pensamos nele com termos humanos, tais como intelecto, vontade, emoção, temos sempre que lembrar disso, para separar o que é de nossa linguagem antropomórfica sobre Ele.

Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Isaías 55:8

Só Aquele que é causa de Si mesmo pode ser causa de todas as coisas. Por Ele todas as coisas vieram a existir e Nele têm sua existência e permanência.

Porque toda a casa é edificada por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus. Hebreus 3:4

Sendo Deus Imutável, tudo Nele é Eterno como Ele. Logo tudo que é determinado a existir e a operar é assim determinado por Deus.

Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? e nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai. Mateus 10:29
Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento; Hebreus 6:17

Logo as coisas não poderia ter sido produzidas por Deus de nenhuma outra forma senão como foram produzidas. Assim é absurdo falar em erro de Deus, engano de Deus, frustração divina ou coisas semelhantes.

Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido. Jó 42:2

Por tal razão, e não por nossos motivos é que dizemos que Deus é Poderoso.

Ó Senhor Deus dos Exércitos, quem é poderoso como tu, Senhor, com a tua fidelidade ao redor de ti? Salmos 89:8

O Espírito de Deus me fez; e a inspiração do Todo-Poderoso me deu vida. Jó 33:4

Ivo Fernandes

O papel das emoções no desenvolvimento do câncer

O tema proposto ainda é motivo de discussões entre especialistas, apesar da crescente admissão da relação entre as emoções e as doença...