terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

O mandamento da voluntariedade e a necessidade da congregação


Uma coisa é óbvia para qualquer um que pensa a respeito de estruturas congregacionais, elas não existiriam sem reprodução e contribuição. Sem essas duas coisas, multiplicação e contribuição financeira elas não existirão por muito tempo. Assim a questão não se trata de fazer ou não fazer essas coisas, visto que a existência da mesma despende delas, mas porque mantermos uma congregação? e mais precisamente no nosso caso, uma estação?

Com todo conhecimento já adquirido a respeito da liberdade de Deus, da natureza da fé e da relação com o sagrado, a pergunta que parece surgir como necessária é: “pra quer congregar”?

Num tempo onde a perversão está estabelecida em praticamente todo sistema religioso e onde existem tantos cultos virtuais, a existência de uma congregação parece ser no mínimo desinteressante.

No entanto existe um mandamento neotestamentário a respeito da congregação em Hebreus 10.19-25 e esse mandamento é para a vida, pois é na congregação onde posso desenvolver minha espiritualidade, pois a mesma amadurece no encontro não só com Deus mas nos diversos tabernáculos de Deus na terra, e na congregação onde essa afirmação é revisitada constantemente é o melhor lugar para desenvolver isso.
Segundo, é na congregação como fatia da família universal que eu começo a exercer o serviço do amor, o que me seria muito mais complexo sem esse espaço limitado para um ser limitado.
Terceiro, porque é na comunidade onde a Palavra é anunciada que posso me expor a ela sistematicamente e com isso desenvolver a saúde da alma e do espírito.
Assim, sabemos que o mandamento para congregar-se não é para estabelecer uma relação de Deus com você que já está estabelecida desde toda a eternidade, mas para que possamos nos desenvolver, desenvolver a nossa salvação, nosso caráter, nossa fé. É um caminho para que provocado pelos encontros me converta das minhas vaidades e egoísmos e assim prossiga na caminhada do discipulado.
Entendido isso vem a segunda parte, contribuição. Uma congregação só existe na medida que possa ser mantida. E o mandamento para congregar-se também se estende ao contribuir, pois os benefícios são os mesmos.
E assim como congregar-se não tem a ver com Deus mas com a gente, assim também o contribuir.
“Nossa oferta ao Senhor não é de fato uma oferta de Deus. É, antes de tudo, uma oferta de Deus a nós. Quem oferta a Deus, oferta a si mesmo, na medida em que dar, antes de ser uma graça de nós a outros, é uma graça de Deus a nós. Se alguém se comove a dar, humilde e alegremente, é porque já foi tocado pela graça de Deus (Rm. 7:18; Fp. 2:13).” (Uma graça que poucos desejam – Caio Fábio)

Em Cristo, a lei que fazia do dízimo um imposto, ou obrigação caducou. No entanto a graça da contribuição ganhou vida e força. É por essa razão que agradeço a Deus pelas contribuições a Estação e as ofertas que alguns amigos endereçam a mim como pessoa.

E sendo uma graça, contribuir não pode estar atrelado a condição financeira e social. Aliás nas Escrituras e na história quem sempre melhor contribuiu foram os mais pobres. Sendo graça, contribuir é fruto da motivação certa, ou seja, generosidade, amor, caridade, e não de barganhas para com Deus ou o próximo. E sendo fruto da generosidade, não será esmola, ou do que sobra, porque se assim o fosse não seria ato de caridade.

E como um dos princípios fundamentais, está o fato de eu contribuir porque desejo que mais pessoas saibam da mesma Graça que sei e vivo, e aqui não entra só a contribuição para isso, mas minha participação direta no anúncio da mensagem.  E com isso entendo que minha contribuição não pode ser esporádica porque o bem não pode ser esporádico, mas constante e sistemático.

Sabendo que contribuir é uma graça é lógico que ela traz diversos benefícios para a alma, mas a maior delas, penso eu, é livrar o ser da avareza e da dependência e deixa-lo confiante na misericórdia do Senhor.

A pergunta que faço é simples: quantos caminhantes estão dispostos a obediência ao mandamento de congregar-se e contribuir?

Ivo Fernandes
22 de fevereiro de 2015
Sugestão de Leitura: 1 Crônicas 29


Nenhum comentário:

A justificação pela fé – uma exposição no Caminho

Leitura:  Romanos capítulos 1 a 3 A doutrina da justificação pela fé é um dos principais pilares da fé cristã, em especial a prote...