segunda-feira, 4 de julho de 2016

O tempo


Leitura: Eclesiastes 3.

O tempo sempre foi um tema de minhas poesias e de muitos de meus escritos. Ele está presente em muitos dos meus pensamentos. Adoro filmes que o abordam, gosto de filosofias que o investigam. Pois afinal o que é o tempo? Como enxergá-lo? Como vilão ou como mocinho? O que ele nos traz? O que aprendemos com ele?

Existem tantas frases em relação ao tempo: Vamos aproveitar o tempo; tempo é dinheiro; o tempo tá passando; o que passou não volta; o tempo cura tudo; o tempo é cruel; no meu tempo...etc.

Recentemente ouvi essa: Se queres perceber o valor de:
Um ano, pergunte a um estudante que repetiu de ano.
Um mês, pergunte para uma mãe que deu à luz um bebê prematuro.
Uma semana, pergunte ao editor de uma revista semanal.
Uma hora, pergunte ao casal apaixonado que está esperando para se encontrar.
Um segundo, pergunte a uma pessoa que conseguiu evitar um acidente.
Um milésimo, pergunte a alguém que ganhou uma medalha de prata nos 100 metros rasos nas Olimpíadas.

Enfim, o tempo é um tema que nos envolve.

Mas o que as Escrituras bíblicas nos ensinam sobre ele?

O texto clássico é Eclesiastes 3. O que ele nos diz?

1.      O tempo não é linear, não é progressivo, é espiral. Não permitindo garantias nenhumas do próximo momento. Ora ele se manifesta uma coisa ora se manifesta outra.
2.      Considerando que ela nos traz situações diferentes é preciso estar em cada situação como ela nos pede. Ou seja, não se pode juntar quando é tempo de separar, não se pode colher quando é tempo de plantar.
3.      Sem a consciência dessa realidade não adquire sabedoria, maturidade, não se torna adulto. Vive como se a vida fosse sempre a mesma, sem as dinâmicas do tempo.
Outras Leituras: Salmo 126
“Mostra-me, Senhor, o fim da minha vida e o número dos meus dias, para que saiba quão frágil sou. Deste aos meus dias o comprimento de um palmo; a duração da minha vida é nada diante de ti. De fato, o homem não passa de um sopro” (Sl 39.4-5)
                                        
4.      É na consciência da ‘espirilidade’ do tempo, e amadurecidos com a experiência é que podemos dizer como Paulo:
Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.
Filipenses 4:12,13
E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Romanos 8:28

5.      Por isso, cheios desse entendimento, devemos ter por atitudes o que nos sugere a próxima leitura:
Eclesiastes 11

Ivo Fernandes

19 de junho de 2016

Nenhum comentário:

A justificação pela fé – uma exposição no Caminho

Leitura:  Romanos capítulos 1 a 3 A doutrina da justificação pela fé é um dos principais pilares da fé cristã, em especial a prote...