quarta-feira, 11 de março de 2009

Santidade

Texto Inicial: (1PE 1:16) - Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo.

Introdução

Decidi falar de santidade hoje por perceber que na igreja evangélica são as mulheres que são mais cobradas. É sobre elas que pesa a maioria das proibições. A maioria dos homens consegue até justificar seus pecados culpando a mulher de levá-los a pecar. Assim, percebo que as mulheres estão levando um fardo pesado demais, e isso por séculos. Hoje, pela Graça de Deus, gostaria de falar o que na Verdade no Evangelho significa ser santo.

Análise do Texto

O texto que lemos nos exorta a sermos santos como o Senhor é santo, mas a pergunta que se faz é: - Como podemos ser santos como o Senhor? Ora, a resposta para essa e para todas as perguntas que temos a respeito de Deus, estão respondidas em Cristo. Sendo, assim devemos ser santos como Cristo foi. E como Cristo foi santo?

Cristo é o exemplo máximo de santidade para vida de qualquer pessoa

Vamos analisar alguns comportamentos de Cristo, a fim de aprendermos com eles:

Jesus e a pecadora que O ungiu. (Lc 7.36-50)

Neste episódio o Senhor nos mostra que ser santo não é se esquivar do próximo só porque ele não tem uma boa-reputação social, antes é permitir que sua alma se revele da forma em que se encontra.

Jesus e o homem hidrópico (Lc 14.1-6)

Neste, Ele nos ensina que mais vale a vida do que as Leis, mesmo que essas leis recebam o nome de sagrada.

Jesus entre os publicanos (Mt 9.9-13)

Neste, Ele nos mostra que ser santo não é se esquivar da vida e nem da agitação da mesma, mas no meio desse mundo agitado exercer misericórdia.

Jesus e o Leproso (Mt 8.1-4)

Aqui Jesus nos mostra que quando se é santo não se suja ou se corrompe quando tocamos o impuro, já que esse toque é um toque de amor. Aqui, as ordens se invertem. Para os judeus religiosos um homem puro se contaminava ao tocar num impuro, para os Filhos da Graça, o homem impuro é abençoado quando tocado pelas mãos daquele que o toca com amor.

Jesus nos mostrou com sua vida que para ser santo não precisamos maquiar a realidade, fingir para não ser mal interpretado. Por isso Ele não se preocupou com o que diriam a seu respeito, apenas se preocupou em ser íntegro, e ser íntegro é ser verdadeiro para com a nossa condição humana: é ter a coragem de chorar em público, como Ele chorou (Jo. 11.35), de admitir perdas e saudade (Jo. 11.36), de gritar de dor (Mt. 27.50), de confessar depressão (Mt. 26.38), de pedir ajuda (Mc. 27.50), de se confessar cansado (Jo. 4.6), de dizer tenho sede (Jo. 19.28), de confessar dificuldades familiares (Mc. 3.21;Jo. 7.1-9), de admitir que a privacidade é um direito e uma necessidade de sobrevivência (Mc. 6.30-32,45,46). Com Jesus aprendemos que até sendo alvo do silêncio de Deus podemos ser santos (Mt. 27.46).

Conclusão

Dessa forma, sabemos que a santidade que a igreja exige da maioria de nós é apenas uma performance para termos uma boa imagem para os outros, e esse tipo de atitude só faz mal para a alma. Hoje o Senhor nos convida a deixar de carregar esse fardo religioso e a semelhança Dele caminharmos com o coração pacificado no chão da existência.

Ivo Fernandes
(Mensagem ministrada no encontro de mulheres cristãs)

Nenhum comentário:

A justificação pela fé – uma exposição no Caminho

Leitura:  Romanos capítulos 1 a 3 A doutrina da justificação pela fé é um dos principais pilares da fé cristã, em especial a prote...