sexta-feira, 11 de setembro de 2009

A ética do reino como modo de viver


Diz Paulo, “Agora permanecem a fé, a esperança e o amor, a maior delas, porém é o amor”. Pela fé sabemos que fomos reconciliados com Deus em Cristo, o que nos dá a esperança da salvação e da glorificação, porém sem amor isso tudo é apenas informação que não gera bem para a alma.

É o amor que nos tirará do campo da observação para a prática da fé. Ele é a força do justo que o impulsiona enquanto aguarda o Dia em que as sombras todas serão dissipadas. Sem amor até a fé e a esperança seriam corrompidas. Sem amor caímos no erro da salvação pelo serviço ou pior, no entusiasmo da salvação sem serviço.

O amor transforma nosso comportamento por causa do nosso estado em Cristo. É por estarmos Nele e não para estarmos nele que nos movemos e existimos. É por estarmos livres Nele que de fato podemos servir aos irmãos, pois esse serviço já não é por nossa causa, ou por causa de algum mérito, é somente em razão do nosso estado Nele, só por essa razão os que são habitados pelo amor vivem de modo que sua mão direita não sabe o que faz a esquerda.

Ivo Fernandes
11 de setembro de 2009

3 comentários:

NATANAEL TUSSINI disse...

EU NÃO VEJO AMOR NA INSTITUIÇÃO! VEJO OUTRAS COISAS: INTERRESSES PRÓPRIOS,ÓDIO, E OUTRAS COISAS PARECIDAS COM ISSO.
SE O AMOR É JESUS, E SÓ AMA AQUELE QUE ESTÁ NELE, ENTÃO CONCLUO QUE A INSTITUIÇÃO OU NÃO É DELE OU NÃO ESTÁ NELE.....
MANO MAIS UMA VEZ PODEMOS OUVIR AQUI PALAVRAS DE SALVAÇÃO.
ABRAÇOS

Ivo Fernandes disse...

Valeu meu amigo Natanael.

E a força esteja com você!

Hermes C. Fernandes disse...

Muito bom seu blog. Parabéns!
Já estou seguindo!

Aproveito para lhe convidar a conhecer o meu blog, e se desejar segui-lo, será uma honra.

Seus comentários também serão sempre bem-vindos.

www.hermesfernandes.blogspot.com

N'Ele!

Ídolos – da construção à necessidade de destruí-los

O termo ídolo não é um termo usado em nossa nação comumente. Aparece mais nos discursos evangélicos numa referência a qualquer entidad...