domingo, 28 de agosto de 2016

Hoje, antes de tudo


Leitura sugerida: Hebreus, capítulos 3 a 5

“Você vive hoje a vida que gostaria de viver por toda a eternidade? ” Essa é uma pergunta séria feita pelo filósofo alemão Nietzsche. Consultando meus escritos, percebi que a palavra hoje repete-se várias neles. E fazendo uma leitura da minha história fico grato pela sabedoria que vem se desenvolvendo quanto a esse tema.

Sei que muitas pessoas não entendem a máxima – O dia chamado hoje! Alguns pensam que se trata de viver a vida de maneira imediata, outros pensam que se trata de ignorar o passado como se ele nunca tivesse existido, e outros ainda pensam que significa viver a vida sem planejamentos. Porém o dia chamado Hoje não é o tempo imediato do nosso relógio, pois a verdade é que nós só vivemos de fato quando a mente registra e registro já é momento seguinte, assim os que tentam viver o imediato apenas sufocam a própria dinâmica da vida, que requer o tempo que passa no tempo que é em vista do tempo que virá.

O dia chamado Hoje só Deus o sabe, trata-se do tempo de Deus, pois só Ele não tem passado, presente ou futuro, Nele só há o Hoje. Nós somos história, Deus é eternidade.

É no livro aos Hebreus onde o conceito de Hoje melhor aparece, e não se trata apenas de uma determinada circunstância. O Hoje está em todos os nossos ‘hoje’, não é a circunstância, mas está posto em todas as circunstâncias. Ora, é por isso que sabemos que Deus está conosco em todos os momentos, não porque ele está sujeito ao tempo, mas porque o Hoje está em todos os ‘agora’ de nossa vida.

Portanto só se experimenta o Hoje pela fé, pois é no Dia chamado Hoje onde ocorre nossa salvação. Não fomos salvos no passado, em dado momento histórico, somos salvos eternamente em Deus. Todos os que tem fé vivem o dia de Hoje. E desta forma sabem enfrentar todos os dias da existência, pois já não são guiados pelo tempo.

Posso no meu dia hoje está experimentando toda espécie de dor e tribulação, mas por causa do Hoje de Deus não me angustio. Posso estar perplexo, mas não desanimado, abatido, mas não destruído, e jamais em desespero. Pois, Hoje é dia de salvação! Sempre!
Creia e hoje se tornará Hoje! E assim decida pela vida, pois ela é dom de Deus e independente como você está agora Hoje é seu dia. Hoje é dia de amar, e amando cantar, sorrir, chorar, caminhar, abraçar, orar. Creia no Hoje e se preocupe menos, pois afinal independentemente dos resultados, Hoje estamos com ele no paraíso.

Ivo Fernandes

27 de agosto de 16

Como saber a vontade de Deus para mim?


Leitura recomendada: Rm. 12-15

Uma das maiores preocupações dos cristãos, em especial a classe carismática-renovada-pentecostal cristã é saber a vontade de Deus, e em torno dessa necessidade desenvolvem toda espécie de ansiedade além de diversos desvios teológicos, produzindo respostas para essa pergunta vindas dos próprios interesses ou de manipuladores da fé infantil.

É compreensível essa busca, afinal tomar decisões não é algo fácil. Orar pedindo a Deus orientação é algo comum aos homens de fé, o problema é quando tal oração vira surto, considerando que Deus se comportará como um ser típico das feitiçarias que nos dirá a cada vez que o buscarmos o que devemos fazer como próximo passo.

Na verdade, sobre a vontade de Deus, a questão é muito simples: A vontade de Deus é uma só: que nos amemos uns aos outros! Essa busca desenfreada para saber a vontade dele em assuntos particulares como questões profissionais e amorosas não é própria da fé cristã.

Não encontramos nas escrituras nenhuma discussão ou orientação para buscarmos a Deus para nos dizer questões tópicas. Então o que fazer diante das decisões que temos que tomar na vida? A oração: Mostra-me a tua vontade” não funciona. Em geral Deus não fala nada, e evidentemente que quem aguarda em ansiedade por essas respostas quando ela não vem se frustram e na maioria das vezes se culpam, procurando justificar, encontrando erros em si para explicar porque Deus não respondeu tal oração.

O fato é que enquanto você está orando para saber a vontade de Deus a vida está acontecendo. O que precisamos é entender que o Senhor nos capacitou para tomar decisões. Se deseja conselhos sobre essas decisões o que posso lhe dizer é o seguinte:

1.    Preste atenção nas condições que envolvem suas decisões e escolhas. Elas são favoráveis ou não? Como estão as condições externas e internas?
2.    Avalie as prioridades e valores. Sua escolha contraria valores essenciais para você? Atrapalham naquilo que é prioridade?
3.    Apresente suas escolhas em oração ao Senhor e submeta a ele tudo sempre. Sabendo que quando descansamos nele, tudo vai bem.

Lembrem-se nosso Deus não é um oráculo mágico. Não está obrigado a nos dizer nada sobre coisas particulares. Cabe a cada um de nós decidir e assumir a responsabilidade por todas as escolhas.

No mais, encontramos conselhos práticos para a vida cristã, como esse em Romanos 15: “O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros; não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; acudi aos santos nas suas necessidades, exercei a hospitalidade; abençoai aos que vos perseguem; abençoai, e não amaldiçoeis; alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram; sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altivas mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios aos vossos olhos; a ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas dignas, perante todos os homens. Se for possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens. Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira de Deus, porque está escrito: Minha é a vingança, eu retribuirei, diz o Senhor. Antes, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.”

A vontade de Deus é que vivamos em amor, dando frutos de amor e em amor. A vontade de Deus são seus mandamentos revelados. O resto é com a gente!

Ivo Fernandes

13 de agosto de 2016

domingo, 14 de agosto de 2016

Dia dos pais


Tornei-me pai no dia 09 de abril de 2000, de lá para cá todos os dias foram dias de ser pai, pois não houve nenhum dia onde essa realidade não envolvesse cada uma das minhas decisões. Depois em 14 de janeiro de 2008, e em 13 de setembro de 2011.

A vida não é uma sequencia lógica, nem sempre o que desejamos ocorre, nem sempre nossos planos dão certo, nem sempre acertamos. Somos alcançados pelas consequências de nossos atos impensados. Somos surpreendidos por sentimentos que não controlamos. Somos arrasados pela impotência diante de um amor que acaba. Somos surpreendidos por doenças incuráveis.

Aí, no meio das dores da vida, onde tudo muda, uma coisa permanece, você continua pai. E isso torna-se força para ser nobre, honrado. Isso lhe faz controlar tempestades interiores. Levantar. Seguir enquanto há vida.

Dizem que nada se compara ao amor dos pais. De fato. Qual amor é tão livre como esse, que ama não para si? Qual amor permanece mesmo se rejeitado, senão esse?

Amei uma menina que hoje é uma jovem, suas escolhas raramente me envolvem. Segue sua vida sem precisar me ligar, me dizer oi, me visitar ou cumprir qualquer obrigação. E o que sinto? Sinto que a amo, e que desejo simplesmente que ela seja feliz. Daqui a pouco mais duas delas seguirão da mesma forma. A casa do pai não será o lugar mais desejado, talvez apenas nesse dia haverá algum esforço para visitá-lo. E o que sinto? Sinto que as amo não para mim, sinto que as amo para vê-las felizes.

Que outro amor permanece na distância, quando está perto é a melhor forma de dizer te amo? Sei como é fácil nos esquecermos de como amar, e nem todos pais amam assim. Eu mesmo, nunca tive um pai que se importasse. E o que sinto? Que Ele perdeu a chance de sentir a melhor coisa do mundo – a alegria de ter filhos.

Feliz o homem que aceitou a paternidade, que se fez pai todos os dias, que amou livremente, que respeitou o caminho dos filhos, e que jamais os abandonou. 

Não sei o quão importante sou e serei para as minhas filhas, sei que elas foram e são e continuarão sendo até o fim minhas razões.

Ivo Fernandes
12 de agosto de 2016


Pai de Ivna, Cecília e Clarice! 

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Esboço - O Evangelho em tempos de terror




1.       Os tempos de terror são sempre movidos por caos externos e internos
2.       O caos externo nos alcança independente de nossas vontades, como desastres ambientais, climáticos, guerras, crise política e econômica
a.       Evidentemente todo caos externo gera caos interno
b.      Ninguém sai ileso diante do caos externo seja ele no ambiente familiar até os ataques terroristas ocorrido em outros países
3.       Assim precisamos entender que se desejamos ser curados de nossos caos interiores, precisamos mudar as condições exteriores que os causam.
4.        E para isso precisamos nos livrar de nossos pensamentos pobres de solução de problema, tais como:
a.       Pena de morte
b.      Linchamento do bandido
c.       Ditadura
5.       E precisamos mudar a lógica dessa sociedade perversa que necessita dos desgraçados para marcar a diferença.
a.       Jesus preferiu os desgraçados, libertou o possesso para destruir a lógica do sistema cruel que mantém certas pessoas como bodes expiatórios para nossos pecados
b.      Ao libertar o possesso Jesus o fez destruindo modelos econômicos
                                                               i.      Uma sociedade que ama mais seus lucros do que pessoas
                                                             ii.      Uma sociedade que ama mais sua religião que pessoas
                                                            iii.      Uma sociedade que ama sua moral e política mais que pessoas
c.       Só podemos mudar o terror que nos assola quando nos importamos mais com pessoas do que com qualquer outra coisa

Ele venceu o mundo




Leitura: João 12

Conforme ensinei e está registrado no texto “A conformidade com o mundo e a banalidade do mal”, o mundo é um espírito, uma força, que se faz sistema e precisa ser vencido para que a própria vida siga seu curso livre, porém vencê-lo se tornou a maior dificuldade dos homens pois o mundo maculou o homem de maneira profunda, de maneira que nosso desejo está atrelado a ele, tornado cobiça e concupiscência.

O mundo é nossa maior tentação, nossa maior fraqueza, nosso maior pecado, nossa maior batalha.

Jesus como homem não escapou a essa tentação, sua vida foi uma luta contra o mundo e temos por fim de sua história o fato de que ele venceu o mundo.

Em vários momentos o Evangelho mostra Jesus lutando e vencendo o mundo. Quando tentando a saciar sua fome por meio da vaidade; quando tentado a mostrar seu poder; quando tentando a ter os reinos do mundo por meio da adoração a criatura em vez do criador; quando quiseram fazer dele rei; quando a angústia da morte lhe tomou. Agora um momento em especial me chama atenção – quando ele venceu o mundo, ao escolher a vida de todas em vez da sua.

No texto indicado, lemos depois da ressurreição de Lázaro os fariseus tramaram para matar Jesus, pois com aquele acontecimento muitos o seguiam.  Disseram entre si: "Vejam o proveito que nos dá a vida deste homem! Sim, de nada ele nos aproveita, visto que o mundo inteiro vai após ele!" Nesse momento o texto nos informa que gregos buscavam falar com Jesus, sim gregos, os seres humanos mais refinados da terra.

Os gregos eram o “mundo” que dava cultura até mesmo aos dominadores da terra, os Romanos. Jesus ouviu a notícia. Dizem que era uma proposta para que Ele se mudasse para Edessa, na Grécia Cultural; pois lá as mentes eram abertas, e Ele teria a chance de espalhar a Sua mensagem por toda a terra; sem as hostilidades e invejas que sofria entre os judeus religiosos.

Assim, o que temos? De um lado a morte orquestrada pelos fariseus e do outro o caminho para a Glória dos Homens, a fama. Creio estar aqui uma das maiores tentações, abandonar quem nos rejeitar e viver entre os que nos desejam. Em termos espirituais seria a vitória definitiva do Tempo sobre a Eternidade; Do mundo contra a Vida.

Trocar a eternidade pelo tempo, eis a tentação do mundo. Tentação que está ligada a nossa “pulsão essencial-instintual” de sobrevivência. Em termos práticos era a Cruz ou o Mundo! E na cruz ele venceu o mundo e seus derivados o tempo, a lógica, a razão, a glória humana.

A resposta de Jesus nos revela a escolha que ele fez "É chegada a hora de ser glorificado o Filho do homem." A Glória do Filho do Homem era dizer Não à glória do mundo, por obediência ao Pai que amava a humanidade.
Vencer o mundo, então é conforme Jesus, é não aceitar o curso deste mundo como lógico. Significa manter a mente em estado de inconformação para com a tirania estabelecida como lei e ordem. Significa discernir que há um espírito de engano e escravidão nos dizendo que vida é aquilo que Deus chama morte.
Significa que para vencermos, tal como Jesus temos que dá razão somente a Deus. Crer nele e ficar quieto. Não adianta discutir com a tentação. Ela vencerá! Quanto mais com ela se dialoga, mais poderosa e argumentativa ela se torna.
Sim, pois as lógicas da tentação são irrebatíveis. Por isto, e não por outra razão, Jesus apenas a rebatia dizendo “Está escrito”; posto que de outro modo seria vencido pelos argumentos intrínsecos do desejo, da carência ou do poder como capricho onipotente.
O que se descobre é que se cremos na Palavra e em seu galardão de vida, e se nos calamos, e se não debatemos contra a tentação... — ela começa a secar!

Ele venceu o mundo e Nele nós também venceremos!

Ivo Fernandes
10 de agosto de 2016
O texto em itálico é de Caio Fábio

O papel das emoções no desenvolvimento do câncer

O tema proposto ainda é motivo de discussões entre especialistas, apesar da crescente admissão da relação entre as emoções e as doença...