domingo, 12 de fevereiro de 2017

O tédio nosso de cada dia


Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece. Nasce o sol, e o sol se põe, e apressa-se e volta ao seu lugar de onde nasceu. O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continuamente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos. Todos os rios vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr.
Eclesiastes 1:4-7

O livro de Eclesiastes nos mostra a repetição constante de tudo, afinal não há nada de novo debaixo do sol. Diante de um quadro desses como tornar a vida mais interessante? Para vencer a monotonia e fugir da rotina muitos lotam suas agendas de atividades, e outros ainda mergulham numa busca desenfreada por prazeres, mas não poucos desistem de tudo e deixam a mesmice produzir um cenário de isolamento e tédio.

Os que mergulham na última opção, não veem mais sentido nas ações diárias. Afinal para que trabalhar? Para que encontros de fim de semana? Para que reuniões religiosas? Para que? Se tudo é inútil, fadiga e cansaço.

Porém existe uma coisa comum a quem se entregou ao tédio e a quem foge dele desesperadamente. Ambos não pensam. Não usam a mente a fim de compreender a vida como ela é e assim retirar dela o melhor possível. O famoso sentido da vida, precisa ser atualizado na existência por cada indivíduo.

Sim! Cada indivíduo reinicia a história do zero, por mais que ela seja a mesma. Já percebeu como os exemplos anteriores pouco servem para nos impedir de fazer alguma coisa? E por que isso acontece? Por que não vivemos a vida a partir de ninguém. Repetiremos tudo mais uma vez. Mas observe a grandeza disso, tudo é o mesmo, mas individualmente é sempre novo. Minhas filhas não repetiram a minha vida, mesmo que não façam muita coisa diferente, elas estarão vivendo a vida delas e não a minha. É repetição, mas é novidade. A vida é sempre a mesma, mas para cada um de nós pode ser completamente diferente.

Assim, o primeiro conselho para se enfrentar o tédio de cada dia e tornar a vida mais interessante é: Observar a singularidade, inventar a vida a partir de si mesmo. Não se deixe levar pelas generalizações, nada mais tediante que isso. Lide com singularidades e não com universais. Abandone frases, como “todo homem/mulher é igual” e aventure-se a conhecer alguém; “é sempre a mesma coisa” e aventure-se em fazer coisas que não fez.

Tenho aprendido a sentir a vida. Gosto de ver o mar, molhar meus pés em suas ondas. Gosto do vento no rosto quando ando de bicicleta. Gosto da chuva. E de tantas coisas. Qual a novidade delas? Aquela que dei.

Eu hoje, estou vivendo uma outra fase da minha vida, aprendendo a ser velho. Talvez você diga, que isso e um exagero da minha parte. Mas o fato, é que passei muito tempo da minha vida atrás de uma tal juventude perdida, mas agora tem descoberto as alegrias das responsabilidades, das escolhas racionais e maduras. Tenho me inventado enquanto homem, enquanto velho, e tem sido uma experiência muito boa.

Um dos maiores problemas das pessoas é que elas desejam fixar tempos e experiências, em vez de aproveitar cada estação. Pensem nas pessoas que vivem casamentos infelizes simplesmente porque ainda queriam o mesmo jovem que conheceram no início da história. A questão é que tudo mudou. Não somente o parceiro, todos mudamos. E isso é bom, eis aí uma novidade, ter que lhe dar com a mesma pessoa que agora é outra. A ideia não é buscar novidades, novos amores, novos parceiros, é aproveitar o novo do mesmo, que está a nossa frente. É como uma alimentação, todos os dias tomamos café, almoçamos, jantamos, porém a cada refeição é sempre um sentir, e não precisamos querer saciar toda a nossa fome numa só refeição, o mesmo voltará, porém, é sempre novo.

Assim, concluo fazendo uma paráfrase do próprio Eclesiastes:


Aplique-se a esquadrinhar o próprio coração. Busque a sabedoria, apesar de doer é o único caminho possível para não ser vencido pelo tédio. Depois detenha-se a gozar a vida, sabendo respeitar o tempo de cada coisa, e valorizado as companhias desse processo, pois é sempre melhor serem dois do que um, porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só, como se aquentará? E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.

Cuida da tua própria vida e não te precipites em julgar ou falar da vida alheia. Lembre-se que você não é tão bom, pois não na verdade, não há homem justo sobre a terra, que só faça o bem, e nunca peque. Prefere a partilha do que o acúmulo, e partilha junto com os que ama, afastando a ira do teu coração, e removendo da tua carne o mal.

Lembra-te também do teu Criador em todos os dias da tua vida. De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem.

Ivo Fernandes

12 de fevereiro de 17

Nenhum comentário:

A justificação pela fé – uma exposição no Caminho

Leitura:  Romanos capítulos 1 a 3 A doutrina da justificação pela fé é um dos principais pilares da fé cristã, em especial a prote...