terça-feira, 17 de abril de 2012

O caminho da espiritualidade – o caminho do anfitrião



Não se pode pensar no movimento que vai da hostilidade à hospitalidade sem uma constante conexão interna com o movimento que leva do isolamento à solidão. Isolados não podemos ser hospitaleiros, porque estamos impossibilitados de criar espaços livres.

É preciso que o anfitrião esteja capaz de oferecer o espaço onde o hóspede pode ouvir sua própria voz interior, mas para isso, ele mesmo precisa sentir-se em casa, em sua própria casa.

Sentir-se em casa faz parte do primeiro movimento, do isolamento à solidão, e para oferecer o espaço adequado ao hóspede é preciso que o anfitrião torne-se pobre. Quando deixamos de querer que nossas necessidades sejam completamente preenchidas, podemos oferecer aos outros esse espaço.

Só vemos o estranho como inimigo quando temos algo a defender, quando estamos agarrados a propriedade privada, seja nosso conhecimento, nossa fama, nosso dinheiro e bens. É preciso esvaziar a mente, abrir mão das riquezas, das ideias, dos conceitos e opiniões que nos colocam no lugar de completos. É preciso o reconhecimento que não sabemos. Por exemplo, somente quando sabemos de nossa pobreza em relação ao conhecimento de Deus é que somos abertos aos homens que possuem religiões diferentes da nossa.

Uma mente cheia de preconceitos, preocupações, invejas, medos não é capaz de gerar espaço para o estranho. Quando confundimos o nosso caminho com O Caminho destruímos a possibilidade do movimento espiritual.

O verdadeiro caminho da espiritualidade exige um árduo e doloroso processo de auto esvaziamento. Esse é o ensino presente na doutrina da encarnação, onde o próprio Deus faz o movimento da força para a fraqueza.

Ivo Fernandes
8 de abril de 2012

Nenhum comentário:

Ídolos – da construção à necessidade de destruí-los

O termo ídolo não é um termo usado em nossa nação comumente. Aparece mais nos discursos evangélicos numa referência a qualquer entidad...